O comércio eletrônico, sem dúvidas, mudou o mundo em que vivemos de várias maneiras. Afinal, você lembra como era a vida antes do crescimento do ecommerce? As pessoas tinham que sair de suas casas para fazer suas compras – e comparar preços era uma tarefa demorada e trabalhosa!

É claro que essa lembrança é apenas a ponta do iceberg. Toda a forma como fazemos negócios foi alterada com o crescimento do ecommerce. Há muito tempo, o telemarketing e o marketing de TV eram as principais plataformas de marketing, mas, hoje em dia, o marketing online é a maior plataforma – tanto para pessoas físicas quanto para empresas.
 

Vamos um pouco além de nossas experiências pessoais para compreender o impacto disso. Por conta do crescimento do ecommerce, um agricultor no interior do Brasil pode comprar um trator online e recebê-lo em sua fazenda sem complicações. Ele pode usar este trator para aumentar a produção da colheita em até 10 vezes – gerando um impacto positivo na economia local. E esse é apenas um de tantos exemplos do poder das vendas pela internet.
 

Neste artigo, vamos relembrar como era a vida antes do crescimento do ecommerce e analisar a importância das transações pela internet. Confira!
 

O caminho de crescimento do ecommerce

A história do comércio eletrônico começou há mais de 40 anos, quando a introdução de tecnologias, como Electronic Data Interchange (EDI) e televendas, na década de 1970, pavimentou o caminho para a loja de comércio eletrônico moderna como a conhecemos hoje.
 

Na verdade, podemos afirmar que história do comércio eletrônico está intimamente ligada à história da internet. As compras online se tornaram possíveis quando a internet foi aberta ao público em 1991. A Amazon foi um dos primeiros sites de comércio eletrônico nos Estados Unidos a começar a vender produtos online, e milhares de empresas a seguiram desde então.
 

Mas a conveniência, segurança e experiência agradável do usuário de comércio eletrônico melhoraram exponencialmente desde o início das compras online. No princípio, as transações online pareciam pouco seguras, os prazos de entrega eram longos e o layout das lojas deixavam a desejar.
 

Com o passar dos anos, ocorreu o crescimento do ecommerce – junto com a evolução da tecnologia e mudanças de hábitos do consumidor. A internet se tornou uma parte essencial de nossas vidas, e tem um impacto versátil nas atividades sociais. Não podemos ir ao banco para sacar dinheiro ou fazer transações, ou ir ao mercado para comprar mercadorias e coisas essenciais, devido à falta de tempo.
 

Hoje em dia, todos ficamos ocupados com trabalho e, portanto, nessas circunstâncias, as compras online são a nova regra. Elas geram comodidade para o consumidor e são cada vez mais populares.
 

-> Confira neste MáximaCast o Boom de e-commerce: A revolução digital é agora!


 

O crescimento do ecommerce B2B

Nas últimas duas décadas, a cara do varejo mudou drasticamente com a internet e o surgimento de novas tecnologias digitais. O comércio eletrônico trouxe novos padrões de atendimento, comodidade e escolha para o consumidor.
 

Para os varejistas, isso abriu novas oportunidades para tornar suas operações mais eficientes, para entender melhor seus clientes e atingir novos segmentos de clientes em todo o mundo. Isso permitiu que qualquer empresa, por menor que fosse, se tornasse global da noite para o dia e desfrutasse de taxas de crescimento que estão entre as mais altas de qualquer segmento da indústria.
 

Ao mesmo tempo, vimos recentemente o surgimento de outro fenômeno: o crescimento do ecommerce B2B. Assim como os consumidores finais, as empresas também consomem cada vez mais de lojas virtuais.
 

Estamos começando a ver, por exemplo, grandes indústrias tentando negociar com fornecedores e clientes exclusivamente por meio de plataformas digitais, e pequenos fabricantes de nicho de componentes de engenharia recebendo pedidos de pequenos negócios que os encontraram online.
 

Em todos os casos, as empresas B2B estão sendo obrigadas também a adaptar suas cadeias de suprimentos para responder com mais rapidez e flexibilidade às oportunidades que estão surgindo.
 

Os compradores B2B agora são consumidores B2C experientes em comércio eletrônico – e trazem suas expectativas de varejo digital para trabalhar com eles todos os dias. Esses compradores estão mudando a jornada de compra B2B aos poucos. Em vez de vasculhar catálogos e fazer ligações telefônicas, eles recorrem a mecanismos de pesquisa e sites de fabricantes. O que eles buscam é o mesmo modelo de autoatendimento que eles adoram no B2C.
 

É claro que a grande razão por trás desse movimento do crescimento do ecommerce B2B é o benefício que as organizações podem obter ao vender pela internet. Afinal, o aumento das vendas é um grande benefício, mas isso é apenas o começo. A plataforma de comércio eletrônico certa apoiará os esforços de marketing digital e se integrará com outras soluções de negócios para que as empresas possam se concentrar no que eles fazem de melhor: construir relacionamentos e atender os clientes.

 

Veja os maiores benefícios obtidos pelas empresas de ecommerce B2B:

  • Acesso a novos mercados. O ecommerce se encaixa perfeitamente no marketing digital. Escalar em novos territórios e novos mercados é muito mais fácil e econômico quando uma empresa se torna digital – seja para vender para pessoas ou empresas. Além disso, maior alcance e maior consciência da marca geram mais possibilidades de vendas.

  • Operações mais eficientes. Com todas as novas vendas para gerenciar, os ecommerces B2B ficam muito felizes ao descobrir que o site de comércio eletrônico pode melhorar a eficiência de back-end. Uma solução de comércio eletrônico eficaz se integra facilmente com seu ERP, CRM e outros sistemas utilizados na gestão do negócio – simplificando os processos de controle interno.

  • Foco centrado no cliente. Quando os clientes estão livres para fazer pedidos online e verificar o status de um pedido existente quando e onde quiserem, não é preciso mais perder tempo recebendo pedidos e respondendo a perguntas sobre o status do pedido pelo telefone. As funções de atendimento ao cliente e vendas podem se concentrar em nutrir leads, construir relacionamentos e fornecer um verdadeiro atendimento ao cliente, vendas e suporte de garantia.

  • Escalabilidade. Uma plataforma de comércio eletrônico B2B eficaz permite que as organizações cresçam e se expandam facilmente para atender à demanda do mercado e às necessidades dos clientes, abrindo novos canais de vendas e alcançando continuamente novos segmentos de mercado.

  • Otimização da cadeia de suprimentos. A venda online facilitou o fornecimento da cadeia de abastecimento. Como? Antes era restrito a vendas presenciais: o vendedor tinha que visitar regiões distantes sem a garantia da venda. Gastava-se muito com esse deslocamento – sem contar o risco de viagens longas.

  • Redução de custos. Acabamos de ver que as vendas online ajudam a empresa a reduzir custos com o processo de atendimento ao cliente. Mas a redução de custos do ecommerce B2B vai muito além disso. Afinal, a digitalização das operações e processos permite que muitas despesas sejam deixadas de lado.
     

Benefícios do comércio eletrônico para a sociedade

Além de revolucionar as operações entre empresas, o crescimento do ecommerce também gerou um ótimo impacto para os consumidores finais e para a sociedade como um todo. Veja quais são os principais desses benefícios:
 

Acesso por 24 horas

Imagine que você estivesse pensando em trocar o sofá da sua sala de estar antes do crescimento do ecommerce. Nessa situação, você teria duas opções: ficar de olho nos anúncios de ofertas no jornal ou dedicar algumas boas horas para sair pelas lojas da sua cidade. E se você trabalhasse durante o horário comercial, isso significaria ter que perder toda a manhã do seu sábado.
 

Agora vamos voltar à realidade. Você pode ir comparando preços de sofás usando seu smartphone enquanto possui tempo livre durante o dia. E, antes de tomar a decisão final, ainda pode dar uma boa comparada nos preços com calma – seja em uma segunda-feira de noite ou domingo de tarde. Afinal, você tem acesso durante 24 horas por dia às lojas virtuais.
 

Custos reduzidos

Acabamos de ressaltar a possibilidade de economizar nas suas compras ao fazer uma pesquisa na internet. Porém, os custos das compras no ecommerce podem ser naturalmente menores por conta dos custos operacionais.
 

Uma loja online possui custos operacionais menores do que uma loja física. E isso pode refletir diretamente no preço que pode ser oferecido aos consumidores.
 

Mercado global

Todos os clientes de todo o mundo podem encontrar sites, produtos e informações sem sair de casa. No ecommerce, não precisamos visitar a empresa fisicamente. As instalações da empresa física não são o critério a ser levado em consideração. Ou seja, os usuários podem escolher produtos facilmente entre vários procedimentos sem ter que se mover fisicamente.
 

Experiência completa

Com o advento da internet, houve um aumento repentino de compradores online. O comércio eletrônico tornou a vida das pessoas mais conveniente e acessível.
 

Hoje, os clientes pesquisam no Google sobre os produtos de que precisam e obtêm uma centena de resultados que correspondem às suas necessidades. Os métodos de pagamento digital permitem que os consumidores paguem online ou na entrega. A funcionalidade suave de devoluções fáceis ajuda os clientes a devolver ou trocar as mercadorias na conveniência de casa.
 

Ou seja, o crescimento do ecommerce tornou a experiência de compra completa e perfeita.
 

Podemos esperar um crescimento do ecommerce ainda maior?

O avanço da tecnologia divide opiniões e pode levar a longos debates. Mas certamente o crescimento do ecommerce melhorou a experiência do consumidor. E essa é uma tendência que deve ganhar cada vez mais força.
 

O setor de comércio eletrônico está evoluindo rapidamente à medida que a internet se torna mais acessível em diferentes partes do mundo. As empresas estão migrando para o espaço de comércio eletrônico para ampliar seu alcance ao consumidor e também se manter na competição.
 

A melhoria das experiências do consumidor nas lojas de comércio eletrônico é evidente. O aumento da acessibilidade à internet, facilidade de transação, abundância de produtos e ofertas personalizadas, ausência dos constrangimentos de presença física e interação tornam as compras online desejáveis para os consumidores – sejam eles pessoas físicas ou empresas.

 

E, então, você lembra como era a vida antes do crescimento do ecommerce? Como você enxerga esse movimento na direção das transações pela internet? Deixe o seu comentário.

Você está buscando alcançar sucesso no e-commerce, não é? E qual é a melhor maneira de colocar isso em prática se não aprender com quem já fez isso?

Afinal, há muita coisa envolvida em administrar uma loja online. Desde a construção de um site de comércio eletrônico até o aumento da sua taxa de conversão, desde o gerenciamento de suas contas de mídia social até aprender como obter uma classificação mais elevada em qualquer mecanismo de pesquisa… O sucesso no e-commerce exige muito esforço e estratégia.
 

Felizmente, você não precisa resolver tudo sozinho. Afinal, milhares de empresas de comércio eletrônico já descobriram todas as coisas difíceis para você. Tudo o que você precisa fazer é dar uma olhada em suas estratégias e ver o que você pode aplicar ao seu próprio negócio.
 

Ou seja, podemos aprender grandes lições sobre o sucesso no e-commerce com grandes empresas que já estão prosperando no mercado há anos. Quer um ótimo exemplo disso? Basta olharmos para a Magazine Luiza.
 

Certamente você já viu a Lu, a assistente de vendas virtual do Magazine Luiza, certo? Ela se transformou no rosto da empresa para os clientes – e parte do sucesso recente da empresa é atribuído a essa estratégia. Porém, as estratégias do Magazine Luiza vão muito além da Lu.
 

Não é por acaso que, entre 2015 e 2019, a empresa apresentou uma valorização de mais de 1.000% na bolsa de valores. Isso é fruto de um conjunto de ações – que incluem expansão das lojas físicas para o mundo digital, investimento na tecnologia, investimento em marketplace, estratégias diferenciadas de marketing, adoção de vendas multicanais, entre outras.
 

Quer descobrir as lições que é possível aprender com os grandes sites para alcançar sucesso no e-commerce? Confira logo a seguir!
 

10 aspectos importantes para o sucesso no e-commerce

Sabemos que as empresas em ascensão possuem uma estrutura muito mais enxuta do que gigantes do mercado, como a Magazine Luiza, Submarino ou Amazon. Entretanto, é possível extrair várias lições das atividades dessas organizações e aplicá-las no seu negócio – mesmo que do seu próprio jeito.
 

Para ajudá-lo neste exercício, vamos destacar os aspectos importantes para o sucesso no e-commerce que podemos notar nos grandes sites:
 

1. Identidade visual da loja

Não importa se um e-commerce fecha milhares de vendas em um dia ou apenas uma venda por semana, é fundamental trabalhar na identidade visual da loja. É isso que identifica a marca para o cliente e ajuda a compor uma experiência personalizada.
 

Imagine um e-commerce genérico que não explora a identidade visual da marca. A primeira experiência do cliente já pode ser comprometida. Porém, mesmo que o consumidor opte por fechar sua compra, ele dificilmente lembrará da marca para fazer compras futuras – afetando na capacidade de fidelização da empresa.
 

2. Meios de pagamento

Atualmente, oferecer vários meios de pagamento para o cliente é fundamental para o sucesso no e-commerce. Pode parecer apenas um detalhe, mas garantir que o consumidor possa escolher a alternativa mais cômoda para ele pode ser o diferencial entre sua empresa e um concorrente – especialmente quando estamos falando de produtos com preços semelhantes.
 

3. Tempo de carregamento do site

Pode não ser a faceta mais glamorosa da venda online, mas é claramente uma das mais importantes. A Amazon fez sua própria pesquisa nessa área e descobriu que, para cada 100ms de tempo de carregamento da página, havia uma redução de 1% nas vendas. Simplificando: os clientes estão com pressa e provavelmente não ficarão muito tempo se o desempenho de seu site for lerdo.
 

4. Disponibilidade para o cliente

Os maiores varejistas estão invariavelmente comprometidos com um excelente atendimento ao cliente e oferecem uma série de maneiras diferentes para os clientes obterem a ajuda e o conselho de que precisam.
 

A Zappos, loja virtual americana que vende sapatos e roupas, por exemplo, oferece publicamente serviço de atendimento 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano, através de uma infinidade de canais – telefone, e-mail, chat ao vivo e muito mais. Esse compromisso fiel com o atendimento ao cliente ganhou muitos fãs para a empresa.
 

A Amazon oferece canais semelhantes – mas os clientes recebem um número absurdo de opções para “ajudar a si mesmos” antes de chegarem a esse ponto. Um manual de ajuda simples e claro permite que os usuários, em muitos casos, obtenham as informações de que precisam, mesmo sem interagir com outra pessoa – resolvendo seus problemas de forma rápida e quase sem esforço.
 

5. Personalização

Novamente, muitos dos gigantes do comércio eletrônico são absolutamente fantásticos na personalização. Esqueça as experiências pré-fabricadas – a experiência do usuário em seu site é altamente personalizada e adaptada às necessidades e intenções do usuário.
 

Novamente, podemos utilizar como exemplo a Amazon. Como um varejista que vende quase tudo, eles confiam fortemente em sua experiência de página inicial personalizada, que habilmente reúne experiências e interesses anteriores do usuário em uma variedade de produtos recomendados sob medida. Isso evita que o usuário se sinta intimidado pela variedade de opções de compra disponíveis e constitui um ponto de partida lógico e eficaz para a experiência de compra.
 

Depois de acessar as páginas do produto, os produtos recomendados continuam a vir em massa e rápido. São exibidos itens que são “frequentemente comprados juntos” e, ocasionalmente, um desconto por atacado é oferecido para comprá-los todos juntos.
 

6. Pesquisa no local

Com o grande número de produtos e níveis de paciência tão baixos entre os consumidores, você deve facilitar para que eles encontrem o que procuram. Uma coisa que os principais varejistas têm em comum é uma função de pesquisa on-site onipresente. Isso invariavelmente fica no topo da janela – estejam os usuários na página inicial, categoria ou página do produto.
 

Uma pesquisa de palavras-chave rápida e eficaz continua sendo provavelmente a melhor maneira de os clientes obterem o que precisam rapidamente. E, de fato, os clientes que usam uma caixa de pesquisa no local resultam em uma taxa de conversão média de 2,4%, em oposição a 1,7% para aqueles que não usam.
 

7. Teste, teste e teste mais

Considerando seu domínio no mercado, você poderia perdoar os gigantes do comércio eletrônico por descansar sobre os louros – mas eles não o fazem. O CEO da Amazon, Jeff Bezos, possui uma famosa frase: “Se você dobrar o número de experimentos que faz por ano, você dobrará sua inventividade”. Já Pierre Omidyar, fundador do eBay, refletindo sobre o motivo do fracasso de algumas empresas, disse “muitas pessoas não vão em frente e tentam coisas”.
 

Esse mesmo espírito de inovação incansável é intrínseco a muitos e-commerces de sucesso. Eles reconhecem que o site de comércio eletrônico perfeito nunca está realmente concluído. Você precisa testar seu site regularmente – buscando melhorar todos os aspectos que ajudam a compor a experiência do cliente.
 

8. Envio de e-mails transacionais

O e-mail marketing é uma adição poderosa à sua caixa de estratégias. E enviar e-mails transacionais é uma ótima maneira de colocar isso em prática.
 

O e-mail transacional assume várias formas, incluindo confirmações de pedido, lembretes de carrinho de compras abandonado e confirmações de envio.
 

Além disso, uma técnica transacional frequentemente negligenciada é encorajar os clientes a fornecer avaliações. A Magazine Luiza faz isso incrivelmente bem, incluindo suas compras recentes em um e-mail e dando a você a chance de enviar uma classificação diretamente do próprio e-mail.
 

9. Avaliações e prova social

É impossível exagerar a importância que as avaliações podem ter para o sucesso no e-commerce. Afinal, 88% dos consumidores afirmam confiar nas avaliações online tanto quanto confiam em uma recomendação pessoal.
 

E não só isso. As resenhas são, essencialmente, uma forma de marketing de conteúdo, gerando conteúdo exclusivo para os mecanismos de pesquisa indexarem.
 

Confira a página de avaliação de um produto da Amazon. É algo fantástico. Os comentários são exibidos de acordo com a classificação por estrelas. Eles podem ser votados positivamente por outros usuários de acordo com o quão úteis eles são. Eles podem também ser filtrados, permitindo que os usuários possam ler análises de 5 estrelas, bem como análises de 1 estrela para ter uma ideia diferenciada dos pontos fortes e fracos do produto.
 

A Amazon também oferece um local para os clientes fazerem e responderem perguntas para ajudar a tomar decisões de compra informadas. Dessa forma, é criada uma comunidade de usuários que ajudam uns aos outros.
 

10. Cadeia de suprimentos confiável

O atendimento de pedidos ocorre nos bastidores, mas quando uma parte da cadeia de suprimentos quebra, os clientes sentirão isso. Mercadoria incorreta, danificada, atrasada ou ausente pode garantir que o cliente nunca retorne para você.
 

O gerenciamento da cadeia de suprimentos é anterior ao e-commerce, mas ganhou uma importância ainda maior com a agilidade e precisão necessária nas compras pela internet. Todas as empresas de comércio eletrônico terceirizam alguma parte de sua cadeia de suprimentos, mas você não pode terceirizar sua responsabilidade para o cliente. Cada parceria de terceirização precisa ser uma escolha estratégica – quando algo der errado, o cliente irá culpar sua empresa, não a cadeia de suprimentos.
 

O sucesso no e-commerce para pequenos negócios

Atualmente, podemos ver a Lu da Magazine Luiza em propagandas de televisão, patrocinando programas famosos e em diversas outras páginas espalhadas pela internet. Enquanto isso, os produtos da Amazon sempre aparecem quando você faz uma busca na internet.
 

Mas como os pequenos negócios podem buscar o sucesso no e-commerce sem esse poder de investimento?
 

O segredo está em adaptar-se à sua realidade. Sabemos que as grandes oportunidades estão na internet. Você possui “a faca e o queijo em mãos”. Basta saber como utilizá-los da melhor forma.
 

Um ótimo exemplo disso são pequenos negócios que fazem sucesso no Instagram com conteúdos irreverentes. Ou, então, empresas que conseguem explorar ações consistentes de marketing digital voltadas para um público segmentado.
 

Aqui estão algumas breves dicas para obter sucesso no e-commerce explorando o marketing digital:

  • Otimize seu site para celular

  • Crie uma conta no Google Meu Negócio

  • Entenda seus clientes e seu público-alvo para marketing digital

  • Comece um blog e incorpore o marketing de conteúdo em sua estratégia de SEO

  • Encontre o canal de mídia social mais adequado para sua empresa

  • Incentive os clientes a deixar comentários online

  • Crie uma lista de e-mail confiável e aproveite o e-mail marketing

  • Use publicidade digital para comercializar para seu público-alvo

  • Pesquise concorrentes e diferencie-se

  • Faça parceria com influenciadores

  • Monitore suas campanhas e ajuste sua estratégia com base em seus aprendizados
     

E-commerce 2020: o que está em alta?

Um outro fator de sucesso no e-commerce fundamental para os grandes sites é a atualização em relação às tendências do mercado. E o ano de 2020 mostrou várias estratégias que podem ser exploradas pelo seu negócio:
 

  • QR Code. Você já reparou como o uso do QR Code está se tornando cada vez mais comum? Até mesmo em programas de televisão são inseridos esses códigos para levar os usuários para sites e aplicativos. Trata-se de uma ótima maneira de conduzir seus clientes para as páginas que você deseja.

  • Lives. Por conta da pandemia do coronavírus, as Lives se tornaram uma grande febre no Brasil. E essa é uma tendência que deve permanecer no mercado. Oferecer conteúdos atrativos por meio de transmissões ao vivo é uma prática que gera grande engajamento.

  • WhatsApp e a comunicação direta. É sempre preferível simplificar a comunicação entre o cliente e a sua empresa. Para isso, muitos e-commerces apostam no Whatsapp ou bate-papos ao vivo em seus sites.

  • Influenciadores digitais. Os influenciadores digitais seguem em alta em 2020. Iniciar parcerias com pessoas que exercem uma influência positiva sobre o seu público-alvo é um atalho para conquistar confiança e atingir uma grande audiência.
     

O sucesso no e-commerce vai muito além do preço!

Você notou que ao longo deste artigo não destacamos a necessidade de um preço abaixo dos concorrentes para alcançar sucesso no e-commerce?
 

É claro que um preço competitivo contribui para atrair mais clientes – e muitos os grandes sites exploram isso. Porém, esse não é um fator diferencial para o sucesso no e-commerce em longo prazo. Afinal, um preço atrativo com uma péssima experiência no site e/ou na entrega afasta qualquer consumidor.
 

Em momentos chave – como na Black Friday – o desconto/preço realmente pode atrair consumidores. Mas não se trata de um aspecto suficiente para ganhar o consumidor. É fundamental que a empresa possa oferecer mais ao cliente do que um preço menor que os concorrentes.
 

Confira uma análise de campanhas da Black Friday neste MáximaCast:

 

Uma ação promocional também deve passar pela construção da marca e seus valores – fazendo com que o cliente queira permanecer próximo da sua empresa. Somente dessa forma é possível alcançar o sucesso no e-commerce.
 

E então, gostou das dicas para alcançar sucesso no e-commerce? Como sua empresa trabalha para colocar isso em prática? Deixe o seu comentário!

Com o fim de ano se aproximando, é natural que os gestores de lojas virtuais iniciem as suas pesquisas sobre tendências para e-commerce 2021. Afinal, é preciso se preparar o quanto antes para sair na frente da concorrência e ter resultados positivos nos próximos meses.

Antes de saber quais são as novidades que devem impulsionar o comércio eletrônico e as tendências para e-commerce 2021, no entanto, é importante ter uma visão ampla sobre o que aconteceu em 2020 e quais são as previsões que os especialistas no setor fazem para o próximo período. Confira tudo isso a seguir!
 

Balanço geral do mercado de e-commerce em 2020

O ano de 2020 foi bastante atípico para toda a sociedade. A pandemia do novo coronavírus pegou a todos de surpresa, e precisamos nos adaptar a novas formas de realizar antigas atividades.
 

Foi isso que impulsionou o mercado de e-commerce, mesmo que a crise sanitária também tenha gerado um difícil momento para a economia. Para ter uma ideia, segundo um estudo realizado pela Ebit / Nielsen, divulgado em reportagem do portal “Consumidor Moderno”, o comércio online teve uma alta de 47%. O índice é o maior dos últimos 20 anos.
 

Uma das explicações para tamanho crescimento é o fato de as autoridades de saúde exigirem o isolamento social, como principal medida de controle e prevenção ao novo coronavírus. Muitas pessoas que não tinham o hábito de comprar pela internet descobriram essa facilidade e, impedidas de ir às lojas físicas, passaram a fazer as suas compras via e-commerce.
 

Ainda de acordo com o relatório da Ebit / Nielsen, em 2020, cerca de 7,3 milhões de novos consumidores conheceram o e-commerce. Isso fez com que o ano tivesse um saldo positivo para o segmento, apesar de estarmos enfrentando um período de crise.
 

Previsões para o futuro do e-commerce em 2021

As previsões e tendências para e-commerce 2021 são boas! Uma reportagem publicada pelo jornal “El País” comenta que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter um avanço de 2,8% no próximo ano.
 

Apesar de o número ser relativamente baixo, isso significa que, gradativamente, a economia começará a dar sinais de melhora. 
 

Todos esses fatores impactam positivamente para o mercado de e-commerce. O consumidor adquiriu novos hábitos e, agora, compra na internet com mais confiança, ao mesmo passo em que, com a melhora da economia, terá mais dinheiro para gastar.
 

Logo, uma das tendências para e-commerce 2021 é que o setor tende a continuar crescendo em uma constante, mesmo que não passe pelo mesmo “boom” que ocorreu em 2020.
 

8 tendências para e-commerce 2021

Conhecendo o cenário em que o setor está inserido, confira as principais tendências para e-commerce 2021.
 

1. Pix

O Pix é um meio de pagamento recentemente lançado, que possibilita a realização de transações financeiras de forma instantânea, em tempo real, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Por isso, ele é outra das tendências para e-commerce 2021.
 

Além disso, o Pix também possibilita que os pagamentos sejam feitos por meio de links e QR Codes. Para isso, clientes e empresas devem se cadastrar nos bancos e criar as suas chaves, por meio do número do celular, endereço de e-mail ou CNPJ.
 

Pelo fato de ter sido lançado recentemente, o Pix ainda está sendo pouco explorado no comércio eletrônico. Porém, a tendência é que, no decorrer de 2021, o meio de pagamento comece a ganhar popularidade, se tornando uma excelente maneira de fazer as cobranças dos clientes de forma prática e rápida.
 

2. Internet 5G

As principais operadoras de telefonia e internet já estão testando a tecnologia 5G no Brasil, sendo que algumas já oferecem planos e pacotes com o novo serviço. Por isso, essa é uma das tendências para e-commerce 2021.
 

O 5G deverá scomeçar a ganhar força e fará com que as pessoas estejam ainda mais conectadas, sempre com muita qualidade e velocidade. Logo, os hábitos de compra em e-commerce podem ser influenciados.
 

Vale lembrar que a lentidão no carregamento de sites e aplicativos é um dos principais fatores de abandono de carrinho nos e-commerces. Com a internet 5G, isso deixará de acontecer!
 

Se um usuário do Instagram ver um anúncio do seu e-commerce na rede social e clicar sobre ele, imediatamente, ele será direcionado para a sua página, sem que seja necessário esperar, mesmo que poucos segundos.
 

3. LGPD

A nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em 2020, mas as fiscalizações devem se intensificar em 2021. É por isso que, se o seu e-commerce ainda não se adaptou à nova legislação, deve fazer isso o mais breve possível.
 

Em resumo, a LGPD é mais do que uma das tendências para e-commerce 2021. Ela dá maior empoderamento às pessoas, físicas ou jurídicas, no que se refere ao uso de seus dados pessoais, como nome, endereço físico ou de e-mail, número do cartão de crédito etc.
 

Assim sendo, é importante que a sua loja virtual obtenha autorização dos clientes para armazenar os dados em seu banco. Para isso, basta criar um termo de compromisso, para que o cliente leia e aceite antes de realizar qualquer tipo de operação.
 

A LGPD também afeta a publicidade e as relações públicas, tendo em vista que você precisa de consentimento dos clientes para enviar anúncios por e-mail, fazer ligações telefônicas e usar cookies e algoritmos para exibir anúncios nas redes sociais e páginas da internet.
 

A nova legislação também torna as empresas responsáveis pelos dados de terceiros que armazenam. Isso quer dizer que, se por qualquer motivo, as informações dos clientes vazarem do seu banco, você deverá arcar juridicamente pelo ocorrido.
 

Além das multas, que podem chegar a R$ 50 milhões, você também poderá ter que indenizar as pessoas que tiveram os dados vazados, caso entrem com processos judiciais. 
 

Para evitar que isso aconteça, o mais indicado é investir em sistemas criptografados, que garantam a segurança do seu banco de dados e impeçam a invasão por hackers e objetos maliciosos. 
 

4. Omnichannel

Voltando a falar sobre os novos hábitos do consumidor a tendências para e-commerce 2021, é preciso pensar na forma como o atendimento é prestado nos diferentes canais em que o seu negócio utiliza.
 

É preciso manter um padrão e a continuidade no atendimento, atividade a que se dá o nome de omnichannel. Isso quer dizer que o cliente pode começar a ser atendido em um canal e continuar em outro, sem que seja necessário repetir tudo o que ocorreu.
 

Imagine, por exemplo, que um cliente solicitou uma informação pelo chat do Instagram. No dia seguinte, ele volta para esclarecer outra dúvida, agora no WhatsApp da sua loja. O ideal é que o atendimento possa ser continuado e, para isso, você precisa ter um sistema omnichannel.
 

Além disso, caso você também tenha lojas físicas, o atendimento omnichannel deve ter continuidade presencialmente. É crescente a utilização do comércio eletrônico para fazer compras e as retiradas sejam feitas nos estabelecimentos físicos.
 

Nesse caso, os atendentes do estabelecimento físico devem estar alinhados com as compras feitas na internet, para dar continuidade ao atendimento e fazer as entregas corretamente, além de responder dúvidas e atender a outras demandas.
 

5. Voice Commerce

Nos Estados Unidos, é crescente o uso de assistentes virtuais para fazer compras online. Esses são serviços como a Alexa, da Amazon, e o Home, do Google Home. 
 

De acordo com uma publicação do portal “E-commerce Brasil”, cerca de 20% dos consumidores americanos já realizaram compras utilizando as assistentes virtuais, para se ter uma ideia.
 

No Brasil, a tecnologia de reconhecimento de voz ainda não é tão popular e não está impactando tanto o mercado varejista. Porém, é interessante ficar atento, tendo em vista que essa novidade pode ganhar popularidade nos próximos e, quando isso acontecer, se tornará uma das tendências para e-commerce 2021.
 

6. Customização de produtos

A grande concorrência no comércio eletrônico tem feito com que as empresas tenham que se diferenciar. De tal maneira, um recurso que vem sendo bastante utilizado é a customização de produtos, para que o cliente possa personalizar os itens que pretende adquirir, de acordo com o seu gosto pessoal.
 

Grandes marcas, como a Nike, já estão apostando nesse modelo. Nesse exemplo, o e-commerce da marca de tênis permite que os consumidores personalizem os calçados, escolhendo as cores dos detalhes e outros aspectos.
 

É claro que para as lojas que apenas revendem produtos de terceiros isso fica um pouco mais complicado. Porém, se você fabrica os itens que vende no seu e-commerce, essa pode ser uma boa maneira de conquistar novos clientes e fidelizá-los.
 

7. Shoppable content

Cada vez mais, as empresas estão apostando na produção de conteúdos para se aproximar dos consumidores, ter um melhor engajamento e, dessa forma, gerar mais vendas. Isso pode ser feito por meio de blogposts, vídeos, infográficos, imagens nas redes sociais etc.
 

Entre as novidades que devem surgir no segmento e se tornar uma das grandes tendências para e-commerce 2021 está o shoppable content. Trata-se da inserção de meios que possibilitem o consumidor a adquirir, instantaneamente, algo em que ele viu em um conteúdo.
 

Uma das maneiras de tornar isso realidade é por meio do QR Code, que pode ser mostrado durante a veiculação de conteúdos. Imagine, por exemplo, que uma pessoa está assistindo a uma novela na televisão e uma das atrizes aparece usando uma determinada peça de roupa.
 

Com a tecnologia de shoppable, é possível mostrar um QR Code para que o espectador escaneie e seja direcionado para a página do e-commerce, onde pode adquirir aquela roupa, no ato. 
 

Isso é algo que deve ganhar popularidade em breve. Inclusive, algumas gigantes do entretenimento, como a Netflix, já estão fazendo investimentos nesse sentido.
 

8. Re-commerce

Chamamos de re-commerce a revenda ou comércio de produtos de segunda mão. Essa é uma das tendências para e-commerce 2021, tendo em vista que os consumidores estão cada vez mais atentos às questões relacionadas à sustentabilidade e contenção do consumo, por exemplo.
 

Na prática, é o que já acontece em muitos sites de compra e venda de artigos, como o Mercado Livre e a OLX. Porém, a tendência é que outros e-commerces também comecem a apostar na venda de produtos usados para ganhar mais popularidade e aumentar as vendas.
 

Um site que vende celulares, por exemplo, pode criar políticas de descontos para clientes que derem o seu aparelho antigo na compra de um novo. Esse item usado pode ser revisado, reformado e colocado para venda em uma sessão exclusiva para produtos do tipo.
 

Essas são algumas das principais tendências para e-commerce 2021. É importante que você fique atento e as coloque em prática, na medida do possível, para ter mais resultados positivos no seu negócio.
 

Continue se informando sobre novidades para o seu negócio e veja agora algumas tendências no que se refere à logística para e-commerce.

O mercado de cosméticos online tem crescido muito no Brasil! Cada vez mais as pessoas compram produtos de beleza, maquiagens, perfumes, cremes e outros itens pela internet. Por isso, também cresce o número de farmácias e lojas especializadas de estética que abrem os seus e-commerces.

Investir nesse segmento pode ser bastante lucrativo, porém alguns cuidados devem ser tomados, principalmente no que se refere ao processo logístico, nas atividades que envolvem os pedidos, armazenamento e entrega.
 

É sobre esses cuidados e o crescimento do segmento de cosméticos online que falaremos neste artigo. Acompanhe.
 

Panorama do segmento de cosméticos online no Brasil

A procura por itens de beleza e cuidados pessoais é enorme no Brasil. Para ter uma ideia, de acordo com a pesquisa Euromonitor International, divulgada na revista Forbes, o nosso país é o quarto maior mercado desse segmento no mundo, tendo faturado US$ 30 bilhões em 2018.
 

Ainda segundo esse estudo, ficamos atrás apenas do Japão (faturamento de US$ 37,5 bilhões), China (US$ 62 bilhões) e Estados Unidos (US$ 89,5 bilhões). Logo, percebe-se o quanto o segmento, inclusive de cosméticos online é lucrativo no país.
 

E se engana quem pensa que apenas as grandes empresas de cosméticos se destacam no Brasil! As pequenas indústrias representam a maioria do consumo na área. De acordo com a publicação, as gigantes do mercado, como a Natura, a Avon, o Boticário, a L’Oréal e a Colgate-Palmolive representam 47,8% das vendas de cosméticos no Brasil. Porém, no mesmo ano, 2018, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já contava com 2794 empresas do segmento registradas em suas bases.
 

Isso só demonstra como mais da metade do mercado de beleza brasileiro é composto por marcas menores, que não têm tanto destaque nas grandes mídias, mas que encontram os seus nichos na internet.
 

O segmento de cosméticos online também foi bastante impulsionado pela pandemia da Covid-19. Sabrina Zanker, diretora de marketing da empresa L’Oréal, em entrevista à revista Vogue, disse que os canais online da marca tiveram um crescimento recorde no período de confinamento. A executiva também contou que a tendência é continuar investindo nesse segmento, tendo em vista que as pessoas adquiriram o hábito de comprar produtos cosméticos online.
 

A grande procura por e-commerces de cosméticos também se deve a questões culturais e barreiras que ainda não foram quebradas pelo público masculino. O mercado de cosméticos masculinos tem crescido de forma considerável, com os homens se interessando mais por produtos como shampoos especiais, perfumaria, cremes, protetores solares e até mesmo maquiagens. 
 

No entanto, ainda existem tabus na sociedade, no que se refere aos homens que se preocupam com a aparência. Isso faz com que os homens ainda sintam vergonha de ir até uma farmácia ou loja física para comprar cosméticos. Por esse motivo, eles preferem fazer as compras de cosméticos online.
 

Dicas e cuidados para ter uma loja de cosméticos online bem-sucedida

Tendo em vista o crescente mercado de cosméticos online, muitos empreendedores pensam em apostar nessa área. Realmente, esse pode ser um negócio lucrativo, mas alguns cuidados devem ser tomados para garantir o sucesso do e-commerce.
 

Para que você possa ter sucesso ao abrir e manter uma loja de cosméticos online, confira essas dicas!
 

Defina o seu público-alvo

O primeiro passo para ter sucesso em uma loja de cosméticos online é a definição de um público-alvo. A concorrência é grande e é por isso que, quanto mais nichado for o seu negócio, mais fácil para conquistar consumidores fiéis e se posicionar como referência no segmento.
 

Se você escolher focar no mercado masculino, por exemplo, pode abrir uma loja de cosméticos online que seja especialista em produtos para barba e cabelo, como shampoos, cremes de barbear, ceras, entre outros itens. Também pode focar em cuidados com partes específicas do corpo.
 

Faça um planejamento estratégico

Com o público-alvo definido, é chegado o momento de fazer um planejamento estratégico para a sua loja de cosméticos online. Aqui, podem ser aplicadas diversas metodologias, como a análise SWOT.
 

Nesse método, são cruzadas as forças (strenghts) e fraquezas (weaknesses) do futuro negócio, com as oportunidades (opportunities) e as ameaças (threats) do mercado. Esse cruzamento permite a geração de estratégias em todos os departamentos da sua loja, como na área financeira, de marketing, de recursos humanos etc.
 

O ideal é que o planejamento estratégico seja revisto pelo menos uma vez por ano, com as informações sendo atualizadas constantemente. Assim, é possível manter o posicionamento e conquistar um bom desempenho com o negócio.
 

Além disso, com tudo planejado com antecedência, você poderá aproveitar melhor eventos em que as vendas tendem a crescer, como é o caso da Black Friday.
 

Garanta uma boa experiência de navegação no seu e-commerce 

Ao estruturar um e-commerce de cosméticos, é muito importante que você pense nas experiências de navegação do usuário. É preciso que o site tenha fácil acesso e que todos os comandos sejam intuitivos.
 

Se o usuário tiver dificuldade de navegar pelas páginas, é bem provável que ele desista da compra e não volte mais para o seu site. É por isso que todos os recursos devem ser previamente testados e analisados, antes de ser lançados para o público.
 

Também é muito importante que o site seja responsivo, ou seja, que se adapte a diferentes tipos de tela. Um dos motivos para isso é que as vendas por meio de smartphones, tablets, entre outros dispositivos móveis não para de crescer. Logo, se alguém acessar o seu site por meio de um dispositivo com tela pequena e ele não se adaptar, a compra será abandonada.
 

Invista, ainda, em protocolos de segurança, como o certificado SSL, para que os usuários se sintam seguros ao fazer compras e compartilhar dados, como as suas informações bancárias para efetuar os pagamentos.
 

Invista em experiências positivas para o usuário

Também é importante que você invista em experiências positivas para o usuário, para que as compras online sejam tão ou mais interessantes do que as presenciais – e sim, na área de cosméticos isso é possível.
 

Exemplo disso pode ser visto em uma ação da L’Oréal, que adquiriu a Modiface, uma startup especialista em inteligência artificial e realidade aumentada. Entre outros lançamentos, foi criada a Vichy Skin Consult.
 

Trata-se de uma ferramenta a partir da qual o cliente envia uma selfie do seu rosto e os robôs de inteligência artificial começam a fazer uma análise. Os algoritmos mostram quais são as prioridades para cada consumidor, indicando produtos que ele pode utilizar para corrigir imperfeições e tratar problemas na pele.
 

Para uma pessoa que tem manchas de melasma no rosto, por exemplo, pode ser sugerido um protetor solar com cor, para que a imperfeição seja disfarçada e a pele fique protegida, ao mesmo tempo. Além disso, a ferramenta também analisa a cor da pele de cada pessoa, indicando qual é o tom de base ou outras maquiagens mais indicadas. Assim, é possível evitar que o cliente compre um produto muito claro ou escuro para a sua tonalidade.
 

Criar plataformas como essa pode ser um grande diferencial para o seu negócio, tendo em vista que as pessoas poderão reproduzir, de forma online, a mesma experiência que teriam em uma loja fixa. 
 

Qualifique a equipe de atendimento

O bom atendimento é fundamental para que uma loja de cosméticos online tenha sucesso. É preciso que a sua equipe seja qualificada para atender a todas as demandas que os clientes tenham, como o esclarecimento de dúvidas, possíveis reclamações etc.
 

A tecnologia também pode ser utilizada nesse sentido, como o uso de chatbots nas redes sociais e WhatsApp. Porém, nem sempre os robôs conseguem ter inteligência o suficiente para resolver todas as demandas, principalmente as mais específicas.
 

Nesse caso, a intervenção humana é necessária e a equipe deve saber como atender a todos, de forma cordial e sendo prestativa para solucionar possíveis problemas.
 

Considere ser um e-commerce de cosméticos atacado

Além do consumidor final, você também pode considerar em vender cosméticos por atacado. Nesse caso, os seus clientes seriam lojas físicas que vendem esses produtos ou salões de beleza que precisam comprá-los em grande quantidade, para usar em seus clientes.
 

Para isso, a comunicação precisa ser modificada, tendo em vista que você atenderá a outro tipo de público. Também é preciso pensar em estratégias de logística diferenciadas, uma vez que as vendas serão em quantidades bem maiores.
 

Tenha cuidados com a armazenagem dos produtos

No que se refere à logística para um e-commerce de cosméticos, um dos principais cuidados é em relação à armazenagem. Isso porque, assim como os alimentos e medicamentos, eles podem ter a formulação prejudicada, caso o armazenamento não seja feito de forma correta.
 

As maquiagens, por exemplo, podem derreter se ficarem guardadas em um ambiente muito quente. Isso acabará gerando uma experiência bem ruim para os consumidores, que vão receber um produto danificado.
 

Além de seguir as recomendações do fabricante, é interessante que você verifique se os órgãos fiscalizadores, como a Anvisa, não têm recomendações específicas a serem seguidas.
 

Preocupe-se com a entrega feita aos clientes

Também é importante que você se preocupe com a entrega feita aos clientes. Aqui, os cuidados devem iniciar ainda no centro de distribuição, que precisa fazer corretamente a separação dos itens que cada cliente comprou.
 

Depois disso, é necessário que eles sejam embalados com cuidado, para que os produtos não sejam danificados no transporte. Em alguns casos, é recomendado o uso de materiais, como o plástico-bolha, para que sejam mais protegidos.
 

No que se refere ao transporte, o ideal é que se tenha uma transportadora de confiança, que possa fazer esse serviço com segurança e garanta que os produtos cheguem no tempo estimado na casa do cliente. Também é possível fazer o envio pelos Correios, mas, nesse caso, é preciso considerar alguns poréns, como greves e outros entraves que podem fazer com que os produtos demorem mais do que o esperado para chegar até o cliente.
 

Lembre-se que, se o correio não entregar a encomenda, isso refletirá na sua imagem e pode fazer com que os clientes não voltem a comprar de você. Por esse motivo, convém escolher com critério quem fará as entregas do seu negócio.
 

Com o crescimento do mercado de cosméticos online, essa pode ser uma grande oportunidade para empreender ou diversificar os seus investimentos.
 

Para ter sucesso no novo negócio, aprender sobre logística é fundamental. Saiba mais sobre as principais tendências desse setor para os e-commerces.