O gerenciamento de estoque eficaz é crucial para todos os negócios. Mas no mundo online, essa se tornou uma necessidade ainda maior. Os clientes buscam uma experiência cada vez mais completa – e tudo começa com a oferta de mercadorias sempre atualizada e entregas rápidas. Ou seja, a gestão de estoque no e-commerce B2B merece uma atenção especial.

Se sua empresa B2B está se aventurando nas vendas online, é crucial que você adote uma abordagem estratégica para construir sua operação de e-commerce. Simplesmente construir um site e carregar seu catálogo nele não será suficiente para fornecer valor para você, seus clientes ou sua equipe de vendas.
 

Mas como eliminar os erros na gestão de estoque no e-commerce B2B para garantir que sua empresa consiga ser bem-sucedida no mundo digital? Confira logo a seguir.
 

Por que o gerenciamento de estoque é importante para empresas B2B?

Para ser competitiva e bem-sucedida, uma empresa B2B precisa ser confiável. As empresas que dependem deles para estoque precisam ter certeza de que podem obter o que precisam, quando precisam. Sem uma solução de gestão de estoque no e-commerce B2B, um negócio nunca atingirá seu potencial total.
 

Os clientes B2B esperam que os níveis de estoque em uma página de produto sejam precisos. Nada é mais preocupante do que saber que um fornecedor tem menos item em estoque do que o esperado. Isso sugere que a empresa B2B não está preocupada em estar presente para seus clientes.
 

O gerenciamento de estoque é importante para todos os clientes, mas é particularmente importante para grandes clientes que fazem negócios consideráveis. Com uma gestão de estoque no e-commerce B2B eficaz, uma empresa pode atender a clientes de alto custo, garantindo que os itens de que eles precisam estejam sempre lá quando precisarem.
 

Principais erros cometidos na gestão de estoque no e-commerce B2B

Antes de falarmos sobre eliminar os erros, é preciso saber exatamente quais são esses erros, certo? Portanto, vamos conferir os principais erros cometidos na gestão de estoque no e-commerce B2B:
 

Nenhum lugar para armazenar e rastrear informações

Se sua empresa interage com clientes em potencial em vários pontos de contato, é fundamental que você armazene e controle todos os dados em um só lugar. Imagine que a última unidade de um determinado produto seja vendida na loja física. Essa informação levará quanto tempo para ser atualizada no e-commerce?
 

A venda excessiva pode ser problemática em um canal, quanto mais em vários canais, pois os pedidos se movem rapidamente. Se suas ferramentas de gerenciamento de estoque não conseguem acompanhar o ritmo das compras, a venda excessiva pode acontecer facilmente.
 

Digamos que sua empresa esteja vendendo um produto por meio de alguns canais online diferentes e em uma loja física. Isso significa que você listou o mesmo item de inventário em vários canais. Ter um estoque e várias plataformas de vendas é o padrão atualmente. No entanto, surgem problemas quando você vende a última peça do estoque para dois clientes diferentes por meio de dois canais separados.
 

Os clientes podem ficar insatisfeitos se você lhes disser que o item deles está fora de estoque após a compra. Você pode perder esta venda e também este cliente. Se ficarem frustrados, eles também podem compartilhar essas notícias negativas com outras pessoas que conhecem. Além disso, os consumidores que têm experiências ruins como essa e classificam sua interação com a empresa como insatisfatória têm grandes chances de diminuir seus gastos futuros.
 

Localização incorreta

Os canais de distribuição são essenciais para tornar uma plataforma de comércio eletrônico viável. Se o envio demorar muito, os clientes podem procurar outro lugar. A geografia desempenha um grande papel no gerenciamento da cadeia de suprimentos e entrega de produtos. Se sua plataforma de comércio eletrônico está vendendo itens em vários estados ou países, você precisa conhecer as regras e regulamentos de suas leis de importação. Os proprietários de empresas podem ter problemas quando seus produtos são parados na alfândega de fronteira ou a entrega demora muito.
 

Além disso, oportunidades podem ser perdidas se não forem criados centros de distribuição em locais estratégicos. Se você não armazena estoque em vários locais, você pode experimentar tempos de atraso. E se você não manter seu estoque atualizado em cada local, os benefícios de ter vários centros de distribuição diminuirão.
 

Uma maneira de gerenciar seu inventário em locais diferentes é usar um software de gerenciamento de inventário baseado em nuvem. Isso permitirá que você gerencie o estoque em vários depósitos em todo o mundo.
 

Previsão de estoque imprecisa

Se você deseja ser proativo em vez de reativo aos pedidos de comércio eletrônico, precisa estar preparado. Muitos proprietários de empresas descartam a importância da previsão de estoque – gerando falhas na gestão de estoque no e-commerce B2B.
 

Obviamente, há temporadas de grande movimento por conta de eventos e sazonalidade de alguns negócios – e as empresas sabem que precisam de mais estoque. No entanto, que tal planejar melhor para as calmarias, para que você não tenha tanto estoque morto em suas prateleiras ocupando espaço?
 

Ao encontrar padrões em compras de comércio eletrônico, você poderá orientar o processo de previsão e a prepará-lo melhor para os hábitos de compra de comércio eletrônico.
 

Rastreamento de estoque impróprio

Um ponto problemático comum na gestão de estoque no e-commerce B2B é monitorar e gerenciar seu estoque. O rastreamento inadequado e a falta de gerenciamento da cadeia de suprimentos resultam em erros que ocorrem se você rastrear apenas uma pequena parte do seu canal de suprimentos.
 

O gerenciamento adequado da cadeia de suprimentos requer um exame minucioso e contínuo das demandas do cliente, mudanças nos hábitos de compra do cliente e compreensão de como esses fatores afetam suas necessidades de estoque e fornecimento.
 

Sem transparência de inventário

Não fornecer aos clientes transparência de estoque é outro erro da gestão de estoque no e-commerce B2B. Os clientes em seu site devem ter a capacidade de visualizar o status do estoque online ao pesquisar produtos para comprar, permitindo que eles vejam se um item está em estoque e quando pode ser enviado.
 

Falta de automação

Se você ainda está monitorando o estoque com o Excel ou com caneta e papel, pode estar perdendo dinheiro. O rastreamento manual leva muito tempo e não traz resultados. Você está desperdiçando recursos e isso o impede de concentrar sua energia em outras áreas que podem ajudar a expandir seus negócios. Também há o fato de que o rastreamento manual significa que você está vulnerável a erro humano, bem como a furtos de funcionários.
 

5 medidas para eliminar falhas na gestão de estoque no e-commerce B2B
 

1. Ter um sistema de gerenciamento de estoque integrado e centralizado

Um sistema de software de gerenciamento de estoque pode ajudá-lo a aumentar a eficiência da gestão de estoque no e-commerce B2B. Uma solução eficiente pode simplificar processos árduos, como garantir que você seja alertado quando os níveis de estoque estiverem baixos ou até mesmo processar devoluções de clientes.
 

Trata-se de uma tecnologia projetada para acelerar tarefas rotineiras com precisão, deixando você confiante e com mais tempo para se concentrar em tarefas mais criativas. As soluções em nuvem economizam tempo e dinheiro de instalação, manutenção e conservação. Normalmente, você paga por uma assinatura ou licença, que inclui atualizações. Acessível com uma conexão à Internet, você pode monitorar todas as suas operações comerciais a partir de uma interface virtual e integrada, em qualquer lugar e a qualquer hora.
 

2. Invista na precisão do estoque

A gestão de estoque no e-commerce B2B realizada de forma eficiente ajudará você a entender o retorno de seus produtos. Você será capaz de identificar quais itens são populares em épocas específicas do ano e apontar seus horários de venda mais populares.
 

É vital planejar com antecedência. Embora isso possa ser uma tarefa difícil, com o sistema de gerenciamento de estoque certo que rastreia os dados, padrões previsíveis de oferta e demanda começam a surgir. Lembre-se de outras variáveis, como implicações sazonais e futuras promoções de marketing, ao considerar o pedido de estoque.
 

3. Avalie os produtos armazenados

Ficar com mais estoque do que pode realmente vender pode ser uma situação cara, mesmo para as lojas de comércio eletrônico administradas de forma mais eficiente. Para manter uma seleção saudável de produtos, investir em dados é crucial.
 

Bons sistemas de gerenciamento de estoque permitem que você analise regularmente a rapidez com que diferentes produtos estão se movendo para que você possa enviar itens de movimento lento com descontos, ofertas especiais ou pacotes antes que se tornem desatualizados ou obsoletos.
 

4. Promova relacionamentos positivos com fornecedores e tenha backups

Uma empresa de e-commerce B2B geralmente depende de fornecedores e eles precisam ser confiáveis. Um bom fornecedor fornecerá a você produtos de qualidade, entrega consistente e no prazo e conhecimento das tendências do setor. É importante promover relacionamentos positivos com os fornecedores para garantir que eles também valorizem o seu negócio e compartilhem o conhecimento do setor.
 

Embora a lealdade seja importante, é importante também ter fornecedores de backup à disposição, caso algo aconteça com algum de seus fornecedores principais. À medida que as vendas da sua organização começam a aumentar, é possível que você seja atingido por um grande pedido que seu fornecedor normal não pode atender.
 

5. Tenha um plano de contingência

Não importa o quão cuidadoso você seja, coisas que estão fora de controle acontecem. Chegará um momento em que você venderá algo e ele simplesmente não estará disponível. Você vai esperar por uma devolução ou enviar uma substituição imediatamente? Como você contará ao seu cliente?
 

Ter planos de contingência bem estabelecidos garantirá que você não agravará os danos tomando decisões em pânico. Essas políticas devem ser refletidas em seus termos e condições. Se você estiver substituindo mercadorias perdidas ou danificadas, verifique se o estoque de seu comércio eletrônico reflete isso. Uma política bem planejada e estratégia de comunicação podem ajudá-lo a transformar uma venda após desastre em um comprador fiel.
 

Benefícios das soluções de gerenciamento de estoque

Já vimos que usar a tecnologia na gestão de estoque no e-commerce B2B é uma ótima forma de evitar erros. E os benefícios dessas soluções podem ser ainda maiores quando estão integradas ao ERP – com informações de logística e outras áreas da empresa.
 

Esse tipo de solução é benéfico para empresas B2B por vários motivos, incluindo:

  • Estoque em tempo real. Os clientes precisam confiar que os itens em estoque estão realmente em estoque. Soluções eficazes de gerenciamento de estoque fornecem estoque em tempo real, para que as empresas B2B sempre saibam onde estão. Se um item sai de estoque repentinamente, a empresa toma conhecimento disso imediatamente e pode responder prontamente. Uma empresa também pode observar de perto os itens menos populares para obter informações valiosas sobre o que deve ser mantido em estoque e o que não deve. Mais importante ainda, permite que uma empresa diga com total confiança que um determinado item está em estoque, disponível e pronto para envio.

  • Pontos de reabastecimento precisos. Com uma gestão de estoque no e-commerce B2B de alta qualidade, uma empresa pode estabelecer pontos de reabastecimento precisos e eficazes com facilidade. As melhores soluções usam algoritmos para notificar uma empresa quando mais estoque é necessário, e fazem isso enquanto dão tempo suficiente para que novos itens cheguem antes que estejam totalmente esgotados.

  • Gerenciamento de vendas eficaz. As soluções de gerenciamento de estoque também permitem que as empresas B2B tenham um controle firme sobre quais itens não estão se movendo com rapidez suficiente. Esses itens podem, então, ser reduzidos ou, de outra forma, os clientes podem receber incentivos para comprá-los em quantidades maiores.

  • Inventário externo. A maioria das empresas B2B mantém seus produtos em locais externos. Isso torna ainda mais importante ter um controle de estoque eficaz, preciso e em tempo real. A solução certa de gerenciamento de inventário para comércio eletrônico B2B pode fazer isso acontecer.
     

Você gostou das dicas para eliminar os erros na gestão de estoque no e-commerce B2B? Como você lida com esses processos na sua empresa? Deixe o seu comentário.

Pensar na logística para e-commerce na Black Friday é muito importante para garantir um melhor desempenho na data. Sabemos que o evento é um dos que mais movimentam o comércio eletrônico e, por isso, você precisa estar muito bem preparado para garantir a satisfação dos consumidores, de modo que eles comprem de você e, ao mesmo tempo, estabeleçam uma relação de confiança com a loja. Assim, as chances de voltarem a fazer compras do seu negócio em oportunidades futuras aumenta.

Além disso, vale lembrar que, em 2020, a Black Friday acontecerá em meio à pandemia de Covid-19, assim como já ocorreu com outras datas que movimentam o comércio. Passado o pior momento da crise sanitária, a economia começa a dar sinais de recuperação.
 

Com isso, as pessoas tendem a gastar mais, já que não estão mais tão inseguras em relação às suas condições econômicas. Essa pode ser uma grande oportunidade para o seu e-commerce faturar mais! Para isso, no entanto, as entregas na Black Friday precisam ser eficientes, para evitar problemas, como reclamações nas redes sociais.
 

9 dicas para fazer uma boa preparação da logística para e-commerce na Black Friday

Para que você possa fazer uma boa preparação da logística para e-commerce na Black Friday, listamos algumas dicas.  Confira, a seguir!
 

1. Trabalhe o seu estoque com estratégia

Como você sabe, a Black Friday é uma época em que os e-commerces registram um grande aumento nas vendas. Perante essa situação, é imprescindível que você trabalhe o seu controle de estoque com estratégia.
 

Uma boa ideia é considerar quais são os produtos mais vendidos e o perfil dos seus consumidores, assim, você pode reforçar o estoque para atende a toda a demanda de clientes que comprará da sua empresa. É importante, no entanto, ter cautela! Evite comprar demais e depois ficar com produtos “encalhados” nas prateleiras.
 

Ainda sobre o estoque, é importante prestar atenção na forma como ele é desmanchado. Esse é um ponto que merece cuidado, principalmente para as empresas que trabalham com produtos perecíveis, como é o caso de supermercados virtuais, que vendem alimentos, com prazos de validade definidos.
 

Nesses casos, é recomendado a adoção da estratégia PEPS, sigla para “Primeiro que Entra, Primeiro que Sai”. Essa metodologia diz que os produtos devem sair do estoque de acordo com a data que entraram, para evitar que percam a validade antes de ser comercializados. Assim, o negócio evita os prejuízos!
 

2. Considere terceirizar as entregas do e-commerce

Quando você terceiriza as entregas do seu e-commerce, deixando por conta de uma transportadora ou empresa de logística, por exemplo, pode ter muitas vantagens. Dentre elas, destacamos a contenção de despesas, tendo em vista que não é necessário manter frotas e fazer a manutenção de veículos.
 

Além disso, as operações da sua empresa são diminuídas, já que a entrega passa a ser feita por um terceiro. Além disso, há a possibilidade de contratar seguros, para se prevenir de sinistros que podem ocorrer com a carga, como perda em acidente de trânsito ou roubo.
 

Porém, ao fazer a terceirização, também é importante se certificar sobre alguns pontos em relação à empresa contratada. Caso ocorra mau atendimento ao cliente, assim como atrasos na entrega, a responsabilidade cairá sobre a imagem da sua empresa e não na transportadora.
 

É por isso que, antes de entregar sua entrega para outra companhia na logística para e-commerce na Black Friday, convém fazer uma pesquisa minuciosa sobre a forma como ela atua, para garantir que se trata de uma organização séria e idônea, que não trará problemas para sua operação.
 

Recentemente, por exemplo, a greve dos Correios fez com que muitas pessoas deixassem de receber pedidos que foram adquiridos. Conforme mostra uma reportagem do portal Metrópoles, essa é uma responsabilidade da empresa que fez a venda, e não da empresa de logística contratada.
 

Logo, os clientes que forem lesados terão que ser ressarcidos com o dinheiro de volta, caso não recebam o produto dentro do prazo estabelecido. Mais uma vez, vemos a importância de escolher bem a empresa que será contratada para a logística pra e-commerce na Black Friday. 
 

Também é uma alternativa interessante diversificar os meios de entrega, de acordo com a localidade em que o cliente reside. Se o consumidor vive na mesma cidade em que está o seu centro de operações, por exemplo, talvez terceirizar não seja uma boa alternativa.
 

3. Agilize a separação dos itens para evitar atrasos na entrega

Os atrasos na entrega são a principal queixa dos consumidores que compram online. Por isso, ao fazer a preparação da logística para e-commerce na Black Friday, é importante que você garanta que isso não ocorra, garantindo uma boa experiência de compra. 
 

Outra maneira de evitar os atrasos é fazer a separação dos itens de forma antecipada. O processo do picking deve ser intensificado durante a época da Black Friday. Ter mais operadores trabalhando nos centros de distribuição ou galpões de armazenagem, para que tudo seja feito de forma mais ágil, é uma boa ideia para garantir a logística para e-commerce na Black Friday. 
 

4. Prepare a sua equipe de atendimento

Para garantir que a logística para e-commerce na Black Friday ocorra de acordo com o esperado, é de fundamental importância que tudo esteja alinhado com a sua equipe de atendimento. Os atendentes, que interagem com os clientes por telefone ou chat, precisam estar preparados para esclarecer as dúvidas que os clientes tiverem.
 

Isso é fundamental para que os compradores possam ter em mente como funcionam todos os processos logísticos e uma estimativa correta de data para receber os itens que compraram. Essa política de transparência ajuda a efetivar as vendas e evita que aconteçam abandonos na compra.
 

5. Pense na possibilidade de aumentar o tamanho da sua equipe operacional

O trabalho de logística para e-commerce, na Black Friday, cresce muito. Afinal, é necessário ter um grande time de atendimento ao cliente, mais operadores para fazer a separação dos artigos nos centros de armazenagem, mais carros e motoristas para realizar as entregas etc.
 

Com esse crescimento considerável de demanda, talvez seja interessante aumentar o tamanho da sua equipe operacional, contratando mais colaboradores. Como a Black Friday acontece próxima ao Natal, é uma boa ideia utilizar a mão-de-obra temporária, também, para essa data.
 

A empresa pode contratar funcionários temporários, para que trabalhem de outubro até o final do ano, por exemplo. Assim, além da demanda extra da Black Friday, o mesmo time pode ser aproveitado para trabalhar em outra data comemorativa que costuma atrair muitos clientes, o Natal.
 

6. Treine a sua equipe para desenvolver diversas atividades

Ainda falando sobre a equipe de profissionais a serem contratados, é uma boa ideia treinar o seu time de colaboradores para que eles possam realizar todas as atividades de logística para e-commerce na Black Friday. Eles devem saber fazer a separação de produtos, o manuseio, a expedição, a gestão de entregas etc.
 

Sem ter uma função específica, os colaboradores podem ser direcionados para a área que demanda mais serviço em um determinado momento. Assim que os pedidos começam a ser feitos, por exemplo, pode ser que haja mais trabalho no setor de separação do que no de expedição. Dessa forma, convém direcionar os trabalhadores de forma estratégica, para garantir uma boa logística para e-commerce na Black Friday.
 

7. Planeje a logística reversa

A logística reversa é o processo em que as entregas são feitas da casa do cliente até a sua empresa, ou seja, um ciclo oposto ao tradicional. Ela é necessária, principalmente, quando os clientes precisam trocar os produtos.
 

Em um e-commerce de roupas, por exemplo, o cliente pode escolher um tamanho da peça no site e, quando prova, percebe que ficou muito grande ou muito pequena. Nesse caso, é preciso fazer a devolução para que depois a loja possa enviar um produto maior ou menor, de acordo com a necessidade do comprador.
 

Na maioria dos casos, os custos com logística reversa são arcados pela empresa – e não pelo consumidor. Por isso, você também precisa se planejar bem nesse sentido. Antes de qualquer coisa, é preciso ter um processo eficiente, para que as devoluções não sejam tão recorrentes.
 

Voltando ao exemplo da loja de roupas, ter uma tabela com medidas de cada tamanho, por exemplo, pode evitar que o cliente compre uma peça G, e depois perceba que deveria ter comprado a GG, por exemplo.
 

Porém, para as situações em que as trocas são inevitáveis, uma boa alternativa é pensar em soluções eficientes da logística reversa. Quem trabalha com os Correios, por exemplo, pode gerar códigos para que os consumidores postem os produtos, com o valor sendo cobrado da sua loja.
 

8. Tenha cuidados com as embalagens

Nos cuidados de logística para e-commerce na Black Friday, também é relevante ficar atento à embalagem. Lembre-se que, qualquer deslize pode fazer com que os produtos sejam danificados na entrega, causando uma experiência negativa para os clientes.
 

É por isso que vale a pena investir em um processo de embalagem exclusiva para cada tipo de produto. Além disso, também é necessário buscar alternativas para que os itens fiquem mais seguros.
 

Envolver os produtos em plástico-bolha, por exemplo, é uma boa maneira de garantir que eles não se danifiquem na logística para e-commerce na Black Friday. Isso é imprescindível no caso de itens frágeis, como eletrodomésticos e eletroeletrônicos.
 

9. Garanta o monitoramento dos produtos enviados

Para que você possa controlar melhor a logística para e-commerce na Black Friday, é muito útil utilizar recursos que garantam o monitoramento dos produtos enviados. Assim, você acompanha onde cada item está e observa qualquer movimentação suspeita com a carga.
 

Os consumidores também se beneficiam com isso, tendo em vista que é possível disponibilizar um código, para que eles possam rastrear os produtos e ter uma previsão precisa de quando a entrega será feita nas suas casas.
 

Preparar a logística para e-commerce na Black Friday é de fundamental importância para ter mais sucesso nessa data, que movimenta as lojas virtuais e potencializa os lucros. Lembre-se: planejamento é metade do caminho andado, portanto, comece já! 
 

Se você se interessa por logística para e-coomerce na Black Friday, confira, também, como influenciadores digitais podem ajudar o seu e-commerce!

Você já ouviu falar sobre o conceito de dark store? Com o rápido crescimento do mercado de compras online, as empresas buscam formas de melhorar a experiência do cliente. E é justamente isso que essa nova tendência do varejo busca entregar.

Segundo a pesquisa 2018 Global Consumer Insights Survey, realizada pela consultoria PwC, 45% dos brasileiros têm interesse em comprar itens básicos do seu cotidiano regularmente via internet. Além disso, 64% deles estão dispostos a pagar mais caro no frete por uma entrega mais rápida – se possível no mesmo dia.
 

Ou seja, existem alguns pontos fundamentais que merecem destaque: a migração (cada vez maior) do consumidor para o mundo digital, a busca por comodidade e a valorização da agilidade na entrega. Foi isso tudo que levou ao surgimento de centros dedicados de entrega de produtos para comércio eletrônico – as chamadas dark stores.
 

Neste artigo vamos entender melhor como funciona o conceito de dark store e quais são os benefícios dessa tendência. Confira.
 

Surgimento do conceito de dark store

Com o crescimento das vendas online, muitos varejistas optaram por estender as vendas presenciais para as vendas pela internet. Para isso, investiram em um novo layout para otimizar seus ativos fixos e também o estoque da loja.
 

Porém, à medida que os volumes de vendas aumentam, os varejistas descobrem que suas lojas não têm capacidade suficiente para suportar volumes de pedidos de comércio eletrônico sem afetar a operação da loja offline (congestionamento do corredor, disponibilidade na prateleira devido a requisitos maiores de reposição, falta de espaço, espaço de estacionamento insuficiente para caminhões de entrega em domicílio).
 

A resposta para essas restrições de capacidade deu origem ao conceito de loja escura, que se desenvolveu significativamente no Reino Unido e na França, e também está presente na Alemanha, na Holanda, entre outros países. E agora também está crescendo no Brasil.
 

O que é uma dark store?

O conceito de dark store é bem simples de ser entendido: trata-se de lojas fechadas ao público que atuam como pontos de distribuição de produtos em uma determinada região. Com isso, os consumidores podem comprar os produtos da empresa por meio de seus canais digitais – como e-commerce ou em aplicativos de entrega – e optar entre uma entrega rápida ou retirar no estabelecimento.
 

Com base no conceito de dark store, empresas de todos os setores podem focar nas vendas pela internet – incluindo setores que enfrentavam dificuldades, como supermercados e restaurantes. Com mais consumidores optando pelo consumo online, não é mais necessário ter uma estrutura física para atendimento presencial.
 

Geralmente, a dark store foca no atendimento de pedidos online em áreas com grande demanda. Por isso, a localização dessas lojas fechadas é fundamental para que seja de fácil acesso para o público e fique localizada próximo dos pontos de interesse.
 

Em vez de gastar com o aluguel de uma sala comercial no centro da cidade, é possível instalar uma dark store em um bairro mais tranquilo que permite uma entrega ágil para os clientes e apresenta facilidades para os consumidores que optam por retirar os produtos no local.
 

Atualmente, os clientes desejam que as empresas sejam ativas, onipresentes e rápidas nos canais de atuação – independentemente do ramo de atuação. Eles esperam uma experiência de varejo sem complicações. Portanto, o conceito de dark store começa a ser adotado pelas empresas que buscam diminuir as taxas de abandono de carrinho e aumentar os lucros.
 

Na prática, uma dark store costuma ter algumas características básicas:

  • Um local que permite fácil coleta ou entrega em um local de retirada

  • Condições de armazenamento ideais para os produtos (um supermercado precisa de um espaço com refrigeração, por exemplo)

  • Layout projetado para facilitar o gerenciamento do estoque
     

Benefícios da dark store

A dark store é vista como uma ótima maneira de reduzir custos e proporcionar benefícios ao consumidor – gerando um diferencial competitivo. Porém, para alguns setores do mercado, também é uma boa solução para grandes problemas dos varejistas.
 

Pense no exemplo de um supermercado. As pessoas estão, cada vez mais, optando por fazer suas compras do dia a dia (leite, pão, papel higiênico, produtos de limpeza e outros utensílios) pela internet. Isso reduz o investimento de tempo, estacionamento e estresse para o consumidor, mas deixa o supermercado com um problema: como separar e transportar essas compras para o consumidor em tempo hábil?
 

Seria necessário designar um profissional apenas para sair coletando os pedidos pelo mercado ou, então, reformular todo o controle de estoque do supermercado. A dark store surge como uma nova alternativa para isso.
 

Além disso, é preciso considerar todos os outros vários benefícios do conceito de dark store:

  • Capacidade de atendimento adicional. Uma dark store não está limitada à capacidade do espaço físico ou quantidade de atendentes disponíveis para atender os consumidores. Com os níveis ideais de estoque, é possível ampliar drasticamente a capacidade de atendimento.

  • Gama completa de produtos. Ao contrário de uma loja típica, as lojas fechadas podem ter uma gama completa de produtos para atender o consumidor – afinal, é possível ampliar o espaço dedicado ao armazenamento do estoque.

  • Ótima disponibilidade. A dark store também oferece grande disponibilidade. Como suas operações são dedicadas ao atendimento de pedidos feitos online, é possível ter visão muito mais clara dos níveis de estoque e, portanto, ter melhor disponibilidade do produto do que uma loja tradicional.

  • Maior eficiência. Uma dark store pode eliminar diversas preocupações de um varejo tradicional (gestão de pessoas, layout, atendimento ao cliente, etc). Com isso, é possível focar no que realmente importa: vender e entregar com eficiência para o cliente.

  • Condições ideais para os produtos. Uma dark store pode dar toda a atenção necessária para o armazenamento correto dos produtos – aumentando sua vida útil e entregando mais qualidade para os consumidores.

  • Operação 24 horas por dia. Assim como qualquer e-commerce, as lojas fechadas podem operar 365 dias por ano, 24 horas por dia. Os pedidos podem ser entregues nos horários mais convenientes para os clientes.

  • Planejamento de rotas. Com um bom planejamento da área de atuação, a dark store pode otimizar o processo de entrega – encontrando as melhores rotas. Isso garante o máximo de eficiência e entrega de mercadorias no menor tempo possível.

  • Oportunidades para novos produtos. As lojas escuras abrem chances para os varejistas venderem novos produtos que os consumidores não encontrariam nos pontos de venda devido a restrições de espaço.

  • Otimização da experiência do consumidor. Conforme já destacamos, o conceito de dark store vai ao encontro do que o consumidor procura: agilidade e comodidade. Ele pode receber o produto em mãos com mais agilidade ou optar por retirá-lo diretamente na loja.

  • Redução de custos. Os custos para manter uma dark store são muito menores do que uma loja de varejo tradicional. Além disso, um bom planejamento da logística também pode manter os gastos menores do que e-commerces tradicionais.
     

Pontos de atenção na implementação de uma dark store

Apesar de todos os benefícios que acabamos de destacar, existem alguns pontos que merecem atenção na implementação de uma dark store. Afinal, o objetivo desse modelo de negócio é a maximização da eficiência para que seja possível apresentar benefícios reais ao consumidor.
 

Veja quais são os principais pontos que merecem a sua atenção:
 

1. Definição do mix de produtos

O tamanho e a natureza da variedade de produtos têm um grande impacto para uma dark store. Por mais que o impulso inicial seja oferecer o maior mix de produtos possível, é preciso considerar a capacidade do armazenamento em estoque e os custos – além de compreender exatamente como satisfazer o seu público-alvo.
 

2. Seleção do local certo

A seleção de um local adequada para a dark store talvez seja o principal aspecto para o sucesso do empreendimento. É preciso buscar um local amplo para o armazenamento dos estoques, mas que esteja localizado em um ponto viável para entregar ágeis e para que os consumidores possam ir retirar suas encomendas.
 

Além disso, as lojas fechadas que fazem entrega para o cliente geralmente precisam de um pátio muito grande para acomodar os veículos para transporte e a movimentação de carga e descarga dos produtos.
 

3. Otimização do layout

Enquanto as lojas de varejo são tipicamente dispostas com base em fatores comerciais e grupos de famílias de produtos, uma dark store pode ser projetada para aumentar a eficiência. A lógica deve ser a mesma de um armazém de estoque: facilitar o acesso aos produtos com maior saída, deixar espaço livre para circulação, acomodar os produtos conforme suas necessidades particulares, entre outras recomendações.
 

O sucesso no gerenciamento do estoque faz toda a diferença para que seja realmente possível atender aos clientes com a agilidade necessária. Além disso, essa também é uma forma de otimizar os custos e evitar desperdícios.
 

4. Cuidado com as promessas feitas

Os prazos de entrega dos pedidos de compras online são extremamente curtos, portanto, é essencial garantir pessoal suficiente para atender aos pedidos. Da mesma forma, é difícil prever com precisão a demanda do cliente, principalmente no início das operações.
 

Levando isso em consideração, é preciso ter muito cuidado com as promessas feitas ao cliente. Se você prometer entregas rápidas, mas não conseguir garantir que a mercadoria esteja nas mãos do consumidor dentro desse prazo, ele ficará insatisfeito.
 

5. Previsão de demanda

O grande trunfo da dark store é poder focar no gerenciamento de um estoque de produtos para atender as necessidades do consumidor com agilidade. Para isso, é essencial buscar uma previsibilidade da demanda – evitando a falta de produtos e também situações em que as mercadorias ficam paradas pela falta de demanda.
 

6. Otimização dos canais de atendimento

Com vendas feitas somente pela internet, os canais de atendimento ganham uma importância ainda maior. É preciso estar presente onde seus consumidores também estão para fortalecer sua marca e divulgar seus produtos.
 

Neste momento, é preciso entrar de vez no mundo online e explorar as estratégias de marketing digital. Redes sociais, anúncios online, site atualizado, e-mail marketing, parcerias com outros sites e influenciadores digitais são algumas ideias que podem ser exploradas.
 

7. Configuração da plataforma de venda

Se os canais de atendimento e divulgação da marca precisam de uma atenção especial, a plataforma de venda merece uma atenção ainda maior. É por meio dessa plataforma que os consumidores podem adquirir o seu produto – afinal, eles não poderão ir até a loja física.
 

Quanto melhor for a experiência de compra do consumidor, maiores são as chances de que ele saia satisfeito e volte para comprar novamente. Portanto, o site do e-commerce e/ou o aplicativo utilizados precisam facilitar o processo de navegação e compra.
 

8. Tecnologia para integração

Atualmente, muitos processos internos das empresas podem ser automatizados e integrados. Com a dark store isso não é diferente. Um ótimo exemplo disso é a utilização de um sistema de gerenciamento que integra o controle de estoques com a gestão de pedidos dos clientes. É dessa forma que um negócio ganha em eficiência para crescer no mercado.
 

Sistemas eficazes de gerenciamento de pedidos e de de estoque também podem ajudar os varejistas a otimizar a experiência do cliente e o processamento de pedidos ao mesmo tempo. Com uma visão clara do estoque, é possível enviar rapidamente o pedido e dar atualizações automatizadas em tempo real sobre o status do pedido para o cliente em seu dispositivo móvel, para que ele saiba exatamente onde está o pedido e quando estará em suas mãos.
 

Você já conhecia o conceito de dark store? A sua empresa está atualizada em relação aos novos modelos de negócio que estão surgindo no mercado? 

O surto de COVID-19 expôs a fragilidade da cadeia de suprimentos global e, por sua vez, o gerenciamento de estoque de muitos negócios. Como consequência, as empresas estão vendo cada vez mais a necessidade de vender produtos diretamente aos clientes pela Internet, com uso de recursos de e-commerce, além dos canais de vendas e distribuição estabelecidos.

Para empresas acostumadas a enviar produtos para varejistas ou distribuidores, pode ser difícil acomodar unidades individuais ou pequenas embalagens diretamente aos clientes, porque há pouca ou nenhuma infraestrutura configurada para isso. Essas empresas basicamente devem buscar:

  • Configuração para picking, embalagem, envio ou retirada na loja de pedidos individuais, ou, ainda, em centros alternativos de distribuição.

  • Estabelecer ou reforçar relacionamentos com serviços de envio de entregas.

  • Adaptar as funções de pedido e cobrança para o volume adicional e métodos de pagamento alternativos que serão empregados.
     

O gerenciamento de estoque para o comércio eletrônico é cada vez mais desafiador

Além deste novo cenário de pandemia e o aumento da demanda de produtos através das lojas virtuais, mesmo no pós-pandemia, exige o gerenciamento de estoque eficiente para atender aos desafios do comércio eletrônico. 
 

Políticas e processos de estoque voltados para vendas em volume e remessa em quantidades reduzidas podem ser estressados ​​pela falta de eficiência no fluxo de pequenos pedidos. 
 

Todo o planejamento de recursos de fabricação e processo de planejamento começa com a demanda e o estoque, incluindo matérias-primas e peças, bem como produtos acabados, e é gerenciado e preparado para esses volumes.
 

 Além disso, a adição de demanda de baixo volume e inerentemente volátil por produtos acabados é um grande desafio. Na verdade, muitos fabricantes já enfrentam uma situação semelhante com suas peças de reposição. 
 

Os sistemas de planejamento são configurados para o fornecimento de peças à produção, mas esses planos podem ser interrompidos quando a demanda por peças sobressalentes direcionar algumas dessas peças inesperadamente. 
 

E quando o equipamento de um cliente é quebrado, ele precisa dele o mais rápido possível, e não na próxima execução de reabastecimento. A escassez resultante de peças pode interromper os cronogramas de produção, causando caos na loja e datas perdidas de remessa do cliente, ou remessas curtas para esses grandes pedidos.
 

Como as empresas lidam com a mistura de volume e demanda de pedidos e peças de reposição? A resposta curta é “não muito bem” 

A maioria das empresas luta com isso e acaba com um nível de estoque em excesso – estoque de segurança para protegê-las dessa demanda extra pequena, mas importante. 
 

Algumas reservam essas quantidades extras em um depósito separado, indisponível para produção. Mas você sabe como isso acontece: se uma produção é curta e a ideia é não decepcionar um bom cliente, você usará o estoque de peças sobressalentes, se for conveniente.
 

A busca pela excelência na gestão de estoque para comércio eletrônico

A abordagem inteligente ao gerenciamento de estoque para comércio eletrônico é atualizar seus processos de planejamento para acomodar a natureza mista da demanda e fazer um trabalho melhor de previsão – com demanda pequena e intermitente, é notoriamente difícil de prever com qualquer tipo de precisão. 
 

A maioria dos sistemas ERP pode lidar com demanda mista, mas as pessoas e os processos necessários para acompanhar e gerenciar efetivamente o inventário não acompanham o software. 
 

É preciso disciplina e entendimento, juntamente com um bom planejamento e previsão, para oferecer um bom atendimento ao cliente para pedidos em massa e vendas diretas sem um alto nível de estoque em excesso. 
 

Existem sistemas avançados de gerenciamento de estoque que oferecem recursos mais sofisticados, além de melhores sistemas de previsão, particularmente bons em lidar com demanda intermitente e de baixo volume.
 

4 estratégias críticas de controle de estoque

A pandemia do COVID-19 forneceu inúmeras lições, inclusive para todos os aspectos da cadeia de suprimentos. Aqui estão quatro estratégias de gerenciamento de estoque que os líderes da cadeia de suprimentos e os gerentes de inventário podem usar daqui para frente.
 

  1. Preste mais atenção aos sinais do consumidor

Os líderes de hoje devem prestar ainda mais atenção às demandas dos clientes.
 

Quando a pandemia do COVID-19 começou, as empresas experimentaram mudanças bruscas na demanda dos clientes e nas preferências de canal. As organizações que não estavam preparadas provavelmente falharam com seus clientes. Para evitar isso, as empresas precisavam de tanta visibilidade quanto possível em seus estoques.
 

As técnicas fundamentais de gerenciamento de estoque foram, provavelmente, baseadas em um princípio central: “O que aconteceu ontem tem uma probabilidade muito alta de acontecer amanhã”. Quando essa regra foi violada devido ao COVID-19, tudo deu errado.
 

As empresas que navegaram com sucesso após o primeiro choque inicial receberam os sinais do cliente final.
 

Alguns varejistas de comércio eletrônico estão vendo um aumento considerável na demanda por produtos como desinfetantes para as mãos, sabão e remédios para gripes e resfriados. Quando se trata dessas necessidades essenciais de saúde, é importante verificar com o gerenciamento de estoque o nível desses itens, principalmente em áreas onde há mais casos de coronavírus.
 

Além disso, as empresas devem estabelecer canais de comunicação mais fortes com suas redes de distribuição para que possam compartilhar informações com mais precisão para identificar padrões de demanda regionais.
 

No entanto, as empresas devem questionar se os sinais de demanda que estão recebendo de seus clientes finais a curto e médio prazo são realistas. Recuperação dos estoques em tempos de coronavírus significa planejar agora e no futuro.
 

A equipe de planejamento de demanda, usando sua experiência no setor e as ferramentas analíticas disponíveis, deve encontrar um sinal de demanda confiável para determinar o suprimento necessário, cujo resultado deve ser discutido e acordado no processo integrado de planejamento de vendas e operações. 
 

  1. Foco nos dados

Como o gerenciamento de estoque pode ser muito complexo, a priorização de dados é uma estratégia crítica de gerenciamento de estoque para praticamente todas as empresas.
 

Devido à pandemia do COVID-19, é importante que as empresas conectem as operações às informações epidemiológicas em constante mudança sobre a propagação do vírus, fatores de risco e seu impacto na infraestrutura médica.
 

Portanto, é fundamental para uma gestão eficiente de produtos ter informações valiosas sobre as regiões e sistemas de saúde para a maior necessidade de máscaras, luvas, aventais, materiais de higiene que possam fazer parte de todo o processo de recebimento e entregas.
 

Informações e dados epidemiológicos faz com as empresas tenham, em tempo real, análises contextuais em torno da progressão do surto e da ligação aos riscos em vários locais, para que possam vincular o planejamento de remessas com mais uma visão de como a doença estava mudando.
 

Dados precisos, adequadamente selecionados e transformados em informações detalhadas, são uma das melhores armas contra a pandemia.
 

  1. Diversifique a rede de fornecedores

As organizações que estão melhor posicionadas para enfrentar o surto de COVID-19 ou qualquer pandemia são aquelas capazes de encontrar rapidamente fornecedores alternativos para manter as operações funcionando.

 

A pandemia do COVID-19 fez com que as organizações considerassem investir em cadeias de suprimentos mais “flexíveis e resilientes”. 
 

De fato, é necessária flexibilidade em termos de capacidade de reposicionar ou ter uma rede ágil que permita que as empresas respondam adequadamente. Embora a velocidade e o custo do serviço continuem sendo importantes, a flexibilidade e a resiliência dos estoques provaram ser diferenciais críticos.
 

  1. Concentre-se na precisão do estoque

Outra estratégia crítica de gerenciamento de estoque é entender quais produtos são acessíveis.
 

Durante a pandemia do COVID-19, a precisão e a confiabilidade dos níveis de estoque de uma organização se tornaram ainda mais importantes.
 

Saber o que você tem é realmente importante, e onde está localizado também é fundamental, uma vez que algumas empresas distribuíram seus estoques em vários locais. A empresa precisa entender o que há em cada um desses armazéns, quão precisos são os registros, se as pessoas estão atualizando o estoque quando colocam algo ou tiram algo.
 

As organizações que não possuem bons processos de gerenciamento de estoque e acesso a números precisos, provavelmente, terão que fazer um grande esforço para acompanhar a demanda em algumas categorias ou ter um excesso de oferta de itens nos quais os clientes estão subitamente menos interessados.
 

Os problemas surgem quando uma empresa pensa que possui, por exemplo, 10 semanas de estoque de um item específico em seus armazéns, e depois percebe que realmente só tem 6 semanas de estoque. 
 

E então, se seus fornecedores forem afetados pelo COVID-19, você perderá a capacidade de entregar aos clientes e. Neste exemplo, a empresa “perderia quatro semanas de receita”.
 

O planejamento do gerenciamento de estoque é a combinação da capacidade de ter produtos para atender à demanda no momento certo, com a quantidade certa e no local certo

 

O processo de planejamento de vendas, estoque e operações gera receita, lucratividade e fluxo de caixa. Por isso, uma abordagem integrada de gerenciamento de negócios e o processo de estoque e operações visa ajudar as organizações a alinharem melhor a demanda (previsões de vendas) com a oferta (a capacidade de atender à previsão de vendas da maneira mais lucrativa). 
 

Além disso, o desenvolvimento de um plano de oferta e demanda pode ajudar as empresas a entenderem melhor a demanda de produtos, a fim de reduzir a quantidade de estoque que mantêm, sem afetar negativamente os níveis de serviço.
 

Para funcionar, o processo de estoque e operações reúne representantes de diferentes departamentos, por exemplo, vendas, marketing, operações e finanças, que, juntos, devem concordar com um plano de produção para equilibrar a oferta e a demanda. Isso aumenta a comunicação e o trabalho em equipe.
 

Embora estoque e operações seja um processo e não uma tecnologia, o software pode ajudar a automatizara a rotina, facilitar a colaboração de vendas, marketing, finanças e operações e tornar os dados pertinentes mais acessíveis.
 

Por exemplo, os líderes podem preparar previsões de vendas usando análises, ferramentas de previsão ou software de planejamento de demanda. Eles também podem lidar com o planejamento da produção usando um módulo ERP ou no software de planejamento de requisitos de material.
 

ERP pode fornecer recursos avançados para ajudar a mitigar os impactos da interrupção

Algumas organizações pausaram implementações ou atualizações. Alguns pararam completamente os projetos de ERP. Outras empresas, no entanto, estão descobrindo que uma atualização do ERP, agora, pode fornecer recursos avançados para ajudar a mitigar os impactos da interrupção. Também pode fornecer uma vantagem competitiva contra aqueles que optaram por permanecer em seus sistemas.
 

O que as empresas precisam descobrir ao longo do uso de soluções ERP é que está se tornando cada vez mais importante ser o mais automatizado possível. 
 

Isso significa oferecer aos seus clientes itens como serviços de preços, preparação do gerenciamento de tarefas e notificações de entrega na loja, em casa ou ainda a retirada de pedidos individuais.
 

Em uma estratégia de gerenciamento de estoque automatizado, o software ERP aciona o reabastecimento quando o estoque cai antes de um ponto de aprovisionamento definido, ajudando, assim, a alcançar a otimização. 
 

A importância do gerenciamento de estoque para o sucesso do seu e-commerce

Como as estratégias de estoque, o planejamento do ponto de reabastecimento pode ser mantido manualmente, ou um sistema ERP pode calculá-lo automaticamente com base no nível de serviço desejado, no número de vezes que um produto precisa estar disponível, no tempo de reposição e na precisão da previsão. 
 

Quanto mais variável a demanda ou o fornecimento de um material, maior será o ponto de reabastecimento, o estoque de segurança e, consequentemente, o sucesso do seu e-commerce.