Você já ouviu falar sobre o Live Shopping? Se ainda não, pode preparar-se para ouvir bastante sobre isso nos próximos anos. Com o crescimento da popularidade dos conteúdos em vídeo, essa é a grande aposta de muitos e-commerces espalhados pelo mundo.

Leia mais

Muitas empresas já possuem presença nas redes sociais para executar ações de marketing e construir boas relações com o público. Mas você sabia que essas plataformas também podem impulsionar suas vendas? O Social Commerce é uma forte tendência que pode gerar resultados surpreendentes.

O consumo online já vinha crescendo significativamente nos últimos anos, e a pandemia impulsionou essa tendência. Hoje 86% dos brasileiros já encaram as compras pela internet como um hábito.

Segundo a We Are Social, as redes sociais reúnem 4,2 bilhões de usuários no mundo. Por isso, o avanço do Social Commerce é uma consequência natural dos hábitos dos consumidores. Com relacionamento mais próximo dos clientes, as lojas virtuais podem estimular mais vendas.

De acordo com pesquisa Social Commerce, 37% dos usuários visitam as lojas digitais pelo menos uma vez por mês em busca de ofertas, e 23% acessam a rede semanalmente para fazer compras. Além disso, 76% dos consumidores recorrem às redes sociais para pesquisar itens de desejo.

Mas como você pode explorar o Social Commerce para gerar vendas? Neste artigo vamos conferir algumas dicas que vão ajudá-lo. Confira!

Benefícios do Social Commerce

Explorar as redes sociais como canais de vendas gera diversos benefícios para um negócio. Veja as principais vantagens do Social Commerce:

  • Tamanho do mercado. A maioria das marcas já usa marketplaces como canais de vendas. Porém, mesmo os grandes portais como Amazon ou Magazine Luiza não possuem tantos usuários ativos como o Facebook ou Instagram. Pode-se argumentar que os usuários não fazem login no Facebook para comprar produtos, mas o potencial dessas redes como mercado continua crescendo. Em média, um usuário gasta 144 minutos por dia nas redes sociais, então não faz sentido encontrar seus clientes onde eles são mais ativos?

  • Sinais sociais poderosos. De acordo com as descobertas da pesquisa da Fan & Fuel, 97% dos compradores levam em consideração as avaliações dos clientes em suas decisões de compra online. E não há outro lugar como a mídia social para capturar e refletir avaliações, curtidas, comentários e compartilhamentos de clientes. Esses sinais sociais não são apenas poderosos, eles são apresentados de forma personalizada. Digamos que você encontre uma marca pela primeira vez no Facebook. Neste momento o Facebook lhe dirá a quantidade de amigos que já interagiram e recomendaram aquela marca.

  • Um aplicativo como a experiência do usuário. Os gigantes da mídia social dispõem de recursos para entender o comportamento do usuário e otimizar suas plataformas para obter mais engajamento e gerar conversões. Isso torna a experiência do usuário mais simplificada, sem atrito e mais rápida. Com o Social Commerce, você pega carona para entregar boas experiências aos seus clientes.

  • Processo de checkout simplificado. Você sabia que cerca de 29% dos compradores abandonam uma compra se solicitados a se registrar? A falta de opções de pagamento confiáveis e um processo demorado de finalização da compra também podem resultar na perda de conversões. No Social Commerce, as soluções de checkout em mídias sociais são rápidas, confiáveis e simplificadas. Por exemplo, os botões comprar agora podem acelerar o processo de checkout, recuperando dados do cliente, dados de envio e detalhes de pagamento da conta de mídia social do cliente.

  • Maior taxa de conversão. Os recursos de mensagens instantâneas nas redes sociais facilitam as conversões, o redirecionamento e o upsell. De acordo com os dados do BigCommerce, a taxa de conversão do Messenger é 35 vezes maior.

  • Configuração amigável. Configurar uma loja no Facebook, integrar seus detalhes de pagamento é um processo amigável que não requer habilidades de codificação. Não há custos para listar produtos nessas plataformas e algumas plataformas dispensaram suas taxas de transação para apoiar pequenas empresas durante a pandemia.

7 dicas para impulsionar vendas com o Social Commerce

Você está disposto a investir no Social Commerce? Aqui estão algumas dicas para colocar isso em prática no seu negócio:

1. Entenda seu público

O primeiro passo para explorar o Social Commerce com sucesso é conhecer melhor o seu público. E um ótimo ponto para iniciar esse processo é compreender melhor por quais motivos os consumidores fazem compras nas redes sociais.

Segundo a pesquisa Social Commerce, realizada pela All iN | Social Miner, em parceria com a Etus e a Opinion Box, além dos preços (54%) e praticidade (49%), há pessoas que se sentem mais seguras ao comprar em sites e apps (44%), e outras que querem ter acesso a mais opções de produtos (44%).

2. Identifique seus principais canais sociais

Tentar se espalhar muito por todos os canais de mídia social é uma receita para o desastre. Em vez disso, concentre-se nas plataformas que seus clientes usam e com as quais mais se envolvem. Isso tornará seu trabalho muito mais fácil.

A plataforma social que melhor atende você varia de acordo com seu público e o que você está vendendo. Por exemplo, roupas e acessórios se saem particularmente bem no Instagram, enquanto gadgets e produtos de tecnologia podem ter melhor recepção no Facebook ou Twitter.

Segundo a pesquisa Social Commerce, o Instagram é o preferido por quem usa as redes para buscar produtos (62%), seguido pelo Facebook (61%), Google Shopping (61%) e WhatsApp (37%).

3. Foque em recursos de check out

É mais fácil do que nunca para os clientes comprarem diretamente de suas plataformas sociais favoritas. Isso elimina o processo de compra agitado do passado, em que os clientes tinham que fazer uma expedição online para encontrar um produto de que gostassem. Depois de ver o produto em seu feed social, eles teriam que ir ao perfil da marca para obter um link para seu site e, em seguida, teriam que pesquisar o produto no site da marca.

Os recursos de checkout social amarram perfeitamente esse processo, permitindo que os clientes comprem no aplicativo de mídia social de sua escolha. Instagram e Facebook começaram a testar recursos de checkout que permitem que as marcas vendam diretamente de suas postagens sociais, reduzindo drasticamente o número de etapas que os clientes precisam seguir para comprar.

4. Aproveite as provas sociais

A prova social não apenas aumenta a visibilidade da marca, mas também cria confiança e garante que os clientes em potencial se sintam confortáveis antes de comprar. Saber que outros compradores vieram antes deles e ficaram felizes com suas compras é um grande incentivo para futuros compradores.

Avaliações, depoimentos, recursos visuais gerados por clientes e histórias de clientes estão todos sob o guarda-chuva da prova social. O segredo é usá-los da maneira certa ao longo da jornada do cliente.

5. Una forças com influenciadores

Os influenciadores já têm um público interno que confia e valoriza o que eles têm a dizer. Ao se associar a contas sociais relevantes em seu nicho, você pode atingir esses públicos para aumentar seu alcance e gerar mais vendas.

A chave é identificar influenciadores altamente relevantes. Muitas vezes, não são celebridades de renome, mas sim o que é conhecido como microinfluenciadores – pessoas com contas focadas em laser e um público muito unido.

Além disso, você pode usar seus clientes como influenciadores. Incentive-os a compartilhar conteúdo sobre sua marca ou produtos por meio de uma campanha de hashtag, um programa de pontos de recompensa ou pela oportunidade de aparecer em seu site. Estudos mostram que os clientes adoram participar de programas como este.

6. Crie uma experiência perfeita de atendimento ao cliente

A mídia social tem cada vez mais se tornado um ponto-chave de atendimento ao cliente. Pesquisas mostram que 60% dos clientes que reclamam nas mídias sociais esperam uma resposta em menos de uma hora, enquanto 54% dos clientes realmente preferem usar as mídias sociais para atendimento ao cliente em vez de telefone ou e-mail.

Quando um cliente está em modo de compra na mídia social, ele deseja o mínimo possível para atrapalhar seu caminho. Como resultado, as marcas estão se voltando para recursos sociais que lhes permitem oferecer experiências de atendimento ao cliente agradáveis.

Os chatbots se tornaram uma maneira comum de fazer isso. Os clientes podem digitar uma pergunta urgente que tenham sobre uma compra e obter um resultado quase instantâneo. Isso significa que o ciclo de compra não é interrompido e eles podem continuar em sua jornada de compras.

7. Personalize tanto quanto possível

Os clientes anseiam por interações pessoais com marcas. Eles querem se sentir especiais e ter o processo de compra facilitado para eles por meio de recomendações personalizadas.

49% dos varejistas online com foco no comércio social dizem que obtêm mais vendas quando personalizam as experiências do cliente com base em comportamento de compra anterior e ações sociais.

A maneira mais simples de fazer isso é servindo sugestões de produtos com base em compras anteriores. Recomendações como essa levaram 49% dos consumidores a comprar um produto que não pretendiam comprar.

Essa tática pode ser particularmente útil para anúncios de mídia social. Você pode usar ferramentas de retargeting para veicular anúncios para consumidores que visitaram uma determinada página, um determinado produto ou que abandonaram seu carrinho.

O objetivo é criar experiências envolventes que possam ser compradas!

O Social Commerce pode atuar como principal canal de venda para pequenos negócios ou complementar as estratégias de grandes varejistas. À medida que mais consumidores se voltam para suas plataformas sociais favoritas para fazer compras, as marcas precisam acompanhar se desejam obter uma vantagem competitiva.

O objetivo de uma estratégia de Social Commerce é criar experiências de compra agradáveis nas redes sociais. Isso está se tornando cada vez mais fácil de fazer, graças à grande quantidade de novos recursos compráveis que as principais plataformas de mídia social estão lançando.

Comece explorando onde seus clientes passam mais tempo online e crie uma experiência para eles com a ajuda de prova social, recursos de compra e atendimento ao cliente em tempo real – trazendo influenciadores orgânicos a bordo para espalhar a palavra sobre sua marca.

Você gostou das dicas para explorar o Social Commerce para gerar mais vendas? Como sua empresa está usando as redes sociais atualmente? Deixe o seu comentário!

Você já recebeu uma mensagem assim depois de assistir a um conteúdo em uma plataforma de streaming ou algo do tipo: “87% dos usuários que gostaram do filme do qual você gostou, classificaram o título X entre 4 e 5 estrelas”? Esse é um exemplo de prova social.

A técnica é muito utilizada há anos na publicidade e nas relações públicas, visando criar uma relação mais próxima e de confiança entre as marcas e os seus clientes.
 

Com a ascensão das redes sociais e do marketing digital, apostar em estratégias de prova social se tornou ainda mais relevante. Para quem tem um e-commerce, entender sobre o conceito é importante, pois pode trazer muitas oportunidades.
 

Quer saber por que o seu e-commerce precisa de prova social e como desenvolver esse tipo de estratégia? Então, prossiga com a leitura nos tópicos a seguir!
 

Prova social: entenda mais sobre esse conceito

Podemos definir a prova social como um gatilho mental ou técnica de persuasão de vendas, que é usada para ajudar no aumento da conversão de leads em clientes.
 

Basicamente, a prova social tem o objetivo de trazer opiniões de pessoas reais sobre determinado produto ou serviço. 
 

Dessa forma, os leads recebem feedbacks de pessoas que são “gente como a gente”, ou seja, indivíduos que tinham problemas similares aos deles e que foram resolvidos quando compraram determinado item.
 

Geralmente, as pessoas tendem a aceitar indicações vindas de indivíduos com os quais elas têm similaridade.
 

Isso levanta uma questão interessante para as campanhas publicitárias das marcas. Os estudos de prova social já concluíram que o depoimento de um anônimo pode converter mais que um comercial com atores famosos ou celebridades da mídia, por exemplo.
 

Teóricos como Shearman, Yoo e Ciadini desenvolveram estudos sobre a prova social, e apresentaram resultados bem interessantes. Eles afirmam, por exemplo, que em programas televisivos de comédia, a introdução de risadas marcando o tempo das piadas tende a melhorar a avaliação das pessoas sobre o quanto o programa é engraçado, e faz com que elas riam com mais frequência durante a exibição.
 

Ou seja, as pessoas tendem a ter comportamentos comuns com os outros indivíduos da sua espécie. Quando um grupo diz que um produto é bom, portanto, os compradores em potencial podem compartilhar do mesmo pensamento.
 

Logo, ao apostar em estratégias de prova social em um e-commerce, há a tendência de que o seu negócio venda mais. Por isso, fazer esse tipo de investimento vale a pena, e deve ser considerado por quem precisa aumentar o faturamento do negócio.
 

Conheça o principal benefício da prova social para e-commerce

O poder do boca a boca é amplamente reconhecido como um fator social no comportamento de consumo.
 

Pare e pense! Quantas vezes você já comprou ou deixou de comprar algo porque um amigo ou familiar disse que o produto é bom ou ruim? Certamente, isso já aconteceu inúmeras vezes, não é mesmo?
 

Nós acreditamos na palavra das pessoas de nossas relações e também de indivíduos que nem mesmo conhecemos, mas que podem dar depoimentos que sirvam para que tenhamos provas sociais.
 

Esse, portanto, é o principal benefício da prova social para e-commerce. Ao adotar essa estratégia, as pessoas passam a ter uma percepção mais positiva da sua marca, o que gera mais pontos positivos para o seu negócio.
 

Os melhores formatos de prova social para e-commerce

Existem diversos tipos de formatos de prova social que podem ser usados em um e-commerce. Veja, a seguir, alguns dos principais!
 

Vídeo

Você pode produzir vídeos com depoimentos de clientes satisfeitos com os seus produtos. A ideia não é fazer uma superprodução, mas sim um material audiovisual simples, que pode ser feito até mesmo com o celular do usuário.
 

O objetivo é passar uma ideia de que a produção foi feita por vontade própria do usuário, e não que ele tenha recebido algo para isso.
 

Os vídeos são bons formatos, tendo em vista que você pode publicá-los em seu canal no YouTube, nas redes sociais e em landing pages dos produtos.
 

Áudio

Os áudios têm a mesma função que os vídeos, mas contam apenas com a voz dos clientes satisfeitos, e não a imagem.

Esse tipo de conteúdo é interessante para ser disparado em campanhas pelo WhatsApp, por exemplo. Apesar de aceitar vídeos, o aplicativo recebe e envia áudios com mais rapidez.
 

Texto

Os depoimentos de prova social também podem ser deixados em texto. Aqui entram relatos que podem ser deixados pelos clientes nas redes sociais, como no campo de avaliações do Facebook ou na página do Google Meu Negócio, por exemplo.
 

É interessante promover ações para que os seus clientes se sintam motivados a deixar esse tipo de depoimento.
 

11 estratégias para conseguir uma prova social para e-commerce

As estratégias de prova social no e-commerce recebem o nome de Word of Mouth Marketing (WOMM), algo que pode ser traduzido como “marketing boca a boca”.
 

A Word of Mouth Marketing Association (WOMMA) relaciona uma série de subcategorias de estratégias de marketing envolvendo prova social. Conheça as principais delas.
 

1. Buzz marketing

Essa estratégia consiste na utilização de eventos que atraiam atenção e publicidade ou notícias para fazer com que as pessoas falem sobre uma marca.
 

É o que acontece quando o seu e-commerce participa, patrocina ou promove um evento com grande cobertura midiática, por exemplo. Isso incentivará as pessoas a falarem sobre o seu negócio e aumentará a sua prova social.
 

2. Marketing viral

O marketing viral pode ser definido como a criação de mensagens informativas ou divertidas, para que as pessoas tenham o interesse de compartilhá-las, além de depor a favor da sua marca.
 

3. Community marketing

Nesse tipo de estratégia, você forma ou apoia uma comunidade formada por pessoas que possam se interessar em compartilhar informações sobre o seu e-commerce e os produtos nele vendidos.
 

É o caso, por exemplo, dos fóruns temáticos e das comunidades no Facebook, onde usuários se reúnem para trocar ideias sobre um tema específico.
 

4. Grassroots Marketing

Nesse caso, a sua loja virtual precisa organizar e promover eventos com voluntários que topem participar de projetos de experimentação.
 

Ao lançar um novo produto, por exemplo, a marca pode convidar clientes a utilizarem por alguns dias e trazerem depoimentos sinceros, numa espécie de reality show para os seus canais.
 

5. Evangelist Marketing

Essa estratégia consiste em cultivar evangelistas, ou seja, voluntários que se prontificam a divulgar a sua marca. 
 

Para criar evangelistas para o seu e-commerce, você pode desenvolver ações de relações públicas para fidelizar clientes, prestando um atendimento exemplar e dando mimos para usuários estratégicos, por exemplo.
 

6. Product Seeding

Ao desenvolver essa estratégia, a empresa deve colocar os produtos certos nas mãos certas, para que as pessoas possam produzir conteúdos e mostrá-los.
 

É o caso, por exemplo, do envio de amostras grátis ou caixas temáticas para que as pessoas se sintam convidadas a fazer vídeo de unboxing.
 

7. Influencer Marketing

A identificação de comunidades-chave e influenciadores de opinião que possam engajar clientes para o seu e-commerce é a estratégia que recebe o nome de Influencer Marketing.
 

Você pode identificar quem são os influenciadores digitais que conversam com o seu público para propor parcerias. 
 

Se o seu e-commerce vende maquiagens, por exemplo, pode fazer parcerias com uma blogueira de moda e beleza. Assim, ela poderá usar os seus produtos e gerar uma prova social para a sua audiência.
 

8. Cause Marketing

Nessa estratégia, a sua loja virtual deve conquistar a prova social ao apoiar causas que são de interesse da sua audiência. Dessa forma, você gera assunto para que as pessoas falem bem de você.
 

Se o seu e-commerce tem uma grande parcela de clientes LGBTQIA+, por exemplo, pode participar de eventos, gerar conteúdo e apoiar instituições que abraçam essa causa. Isso fará com que, de maneira voluntária, os consumidores representados promovam provas sociais para a sua marca.
 

9. Conversation Creation

“Não é assim uma Brastemp”, esse bordão foi usado por muitos anos pela marca de eletrodomésticos, em peças publicitárias, e criou no imaginário popular uma ideia de que os seus produtos eram superiores à concorrência.
 

Essa é uma estratégia de Conversation Creation, que consiste na criação de anúncios interessantes ou engraçados, jingles, slogans e ações feitas para promover a prova social via boca a boca.
 

Ao falar que algo “não é assim uma Brastemp”, que se tornou uma expressão cotidiana nas conversas de muitos brasileiros, mesmo quando não estamos falando de eletrodomésticos, se propaga uma prova social.
 

Ou seja, as pessoas realmente compraram a ideia de que a Brastemp é uma boa marca e divulgam isso no dia a dia.
 

10. Brand Blogging

Nessa estratégia, as empresas criam blogs, em que podem postar conteúdos interessantes para o seu público-alvo.
 

Se você tem um e-commerce de artigos esportivos, por exemplo, pode criar artigos apresentando quais são os melhores tênis de corrida para os usuários.
 

Os blogposts podem ter um espaço para comentários, em que os clientes deixam opiniões e percepções sobre a sua loja e seus produtos.
 

O mesmo tipo de estratégia pode ser desenvolvido nas redes sociais, como o Facebook e o Instagram, com os clientes sendo convidados a compartilharem as suas opiniões e a produzir provas sociais por meio de comentários.
 

11. Referral Programs

Aqui, estamos falando sobre a criação de ferramentas que possibilitam que os clientes satisfeitos indiquem a sua loja aos seus amigos.
 

Para isso, você pode colocar recursos de social sharing, para que os conteúdos do seu blog, site e redes sociais possam ser compartilhados, por exemplo.
 

Cuidados que devem ser tomados na produção de prova social

Ao desenvolver estratégias que envolvem a produção de prova social, o principal cuidado a ser tomado é que os conteúdos tenham uma característica voluntária.
 

Não é recomendado que os depoimentos deixados em texto, áudio ou vídeo passem uma ideia de que foram pagos, ou que o cliente ganhou algo em troca para isso.
 

Ao trabalhar com provas sociais, deve-se passar a ideia de que realmente a recomendação está sendo feita de um usuário para outro, como se fosse uma conversa entre amigos.
 

Quer aumentar as vendas da sua loja virtual? Então, investir em estratégias envolvendo a prova social é uma ideia bem interessante. Analise os exemplos que trouxemos aqui, defina o que for mais relevante para o seu negócio e comece a colocar tudo em prática.
 

Siga aprendendo conosco! Leia agora o nosso artigo que apresenta os principais KPI’s de e-commerce a que você deve ficar atento.

Você deseja aumentar a visibilidade da marca, impulsionar as vendas e aprender informações valiosas sobre seu público-alvo? Então o Google Search Console é a ferramenta ideal para o seu e-commerce.

Não há dúvida de que o Google é o site mais popular e mais visitado do mundo. Pense dessa maneira: o gigante dos mecanismos de pesquisa lida com mais de 70 mil pesquisas por segundo. É claro que se você deseja expandir seus negócios, deve encontrar maneiras de trabalhar com o Google para melhorar a otimização do mecanismo de busca (SEO), compreender as fontes de links e criar conteúdo que atraia seus clientes.
 

Essencialmente, o Google Search Console permite que você analise com rapidez e precisão as informações vitais sobre o seu site e o comportamento dos visitantes. A capacidade de ver e usar essas informações pode ser responsável por otimizar os resultados do seu e-commerce.
 

Quer entender como usar o Google Search Console para análise e otimização do e-commerce? Então confira ao longo deste artigo.
 

A importância da análise de dados para o e-commerce

Atualmente, as empresas que possuem informações de qualidade em mãos são aquelas que conseguem se destacar. E, no mundo do comércio eletrônico, isso é ainda mais evidente. Afinal, trata-se de um negócio que opera 100% de forma digital – e obter dados sobre os consumidores contribui para o fechamento de mais vendas.
 

Entretanto, mais do que armazenar dados, é preciso analisá-los para transformá-los em informações úteis. Com base nisso você consegue descobrir quais produtos chamam mais atenção do seu cliente, quais formatos de anúncio geram mais resultados de vendas, por quais canais os clientes estão chegando, analisar a fundo suas ações de marketing e muito mais.
 

Naturalmente, as ferramentas mais acessíveis e qualificadas do mercado pertencem a grande potências da internet como o Google. É justamente por isso que o Google Search Console possui um valor tão grande para um e-commerce.
 

O que é o Google Search Console?

Google Search Console é um conjunto de ferramentas e relatórios de SEO do Google. Ele oferece dados e controle de configuração para seu site, bem como uma variedade de métricas de visitantes. Em resumo, o Google Search Console oferece uma visão direta do Google sobre como o mecanismo de pesquisa vê seu site.
 

Ao usar o Google Search Console, você consegue facilmente verificar se há erros encontrados no seu site, identificar páginas quebradas, verificar a indexação do site, e muito mais. Além disso, você receberá mensagens diretamente do Google sobre quaisquer problemas ou ações tomadas contra o seu site. Isso pode ser algo como um ataque de hack detectado, um aviso de malware, uma penalidade por práticas de vinculação incorretas ou outros avisos técnicos.
 

Para e-commerces que possuem um aplicativo, é possível usar o Google Search Console para adicionar links diretos para o app (o que permite que as páginas do aplicativo apareçam nos resultados de pesquisa para dispositivos móveis dos usuários), conectar seu aplicativo a um site, lidar com erros de rastreamento e muito mais.
 

Além disso, o Google Search Console é uma ótima ferramenta para ajudar você a descobrir problemas que podem prejudicar suas classificações de resultados de pesquisa ou até mesmo a experiência do usuário em seu site.
 

Principais recursos do Google Search Console

Veja quais são os principais recursos que você encontra no Google Search Console:

  • Monitoramento de backlinks. O Google Search Console permite que você monitore quais sites estão vinculados ao seu. Isso mostrará uma lista de domínios que estão vinculados ao seu site e quando foram indexados.

  • Usabilidade móvel. É vital que seu e-commerce seja responsivo em dispositivos móveis, certo? O recurso de usabilidade móvel do Google Search Console sinaliza quaisquer problemas relacionados à usabilidade móvel do seu site.

  • Status de indexação. Você pode ver quais páginas do seu site já foram indexadas e quais páginas foram enviadas e ainda não indexadas pelo Google. Esta é uma maneira prática de ver se o seu conteúdo mais recente já foi reconhecido pelo Google.

  • Desempenho. Essa funcionalidade permite que você descubra quais termos de pesquisa as pessoas estão usando para encontrar seu site. Isso oferece uma visão inestimável sobre quais palavras-chave estão funcionando para atrair visitantes para seu site. Além disso, você também pode consultar quantas impressões que seu site está recebendo para determinados termos de pesquisa e também as taxas de cliques do seu site nessas pesquisas específicas.

  • Erros de rastreamento. Usando este recurso, você pode encontrar URLs relacionadas ao seu domínio que o levam a uma página com erros. Isso geralmente é o resultado de links antigos ou quebrados que foram indexados anteriormente pelo Google.

  • Envio e teste do Sitemap. Para que o Google rastreie e indexe seu site o mais rápido possível, é altamente recomendável que você envie o sitemap de seu site ao Google Search Console. Isso permite que o Google rastreie e analise seu site de forma mais rápida e fácil e permitirá que seu site seja indexado de forma mais eficiente.
     

Como usar o Google Search Console para otimizar seu e-commerce?

O Google pode facilmente se transformar no maior aliado de um e-commerce. Levando isso em conta, existem três perguntas principais que você deve fazer:

  • As otimizações básicas de SEO foram implementadas?

  • O Google pode encontrar e mostrar o site entre os resultados da pesquisa?

  • Como está o conteúdo do site em termos de desempenho no Google?
     

E para respondê-las, você precisará das informações coletadas no Google Search Console. Ao usar corretamente as ferramentas que você tem à disposição, será mais fácil que seus consumidores encontrem sua empresa e seus produtos.
 

Veja algumas dicas para otimização do e-commerce usando as ferramentas do Google Search Console:
 

Escreva boas páginas de produto – e monitore seus resultados

O primeiro passo para ajudar as pessoas a encontrar e navegar em um site de comércio eletrônico é publicar claramente todos os produtos à venda. Afinal, isso ajuda o Google a indexar informações e mostrá-las para usuários que procuram produtos para comprar.
 

Em geral, isso significa criar páginas no site que explicam o produto a ser vendido – que podem incluir descrições em texto e imagens.
 

Para escrever boas páginas de produtos, você pode seguir essas dicas:

  1. Primeiro, você precisa adicionar imagens que permitem visualizar claramente o produto, com fundos desbotados ou transparentes e com fotos de diferentes ângulos. Isso ajuda os visitantes do site a decidir o que comprar, mas ao mesmo tempo pode atrair usuários que usam a Pesquisa de imagens do Google para encontrar produtos.

  2. Acrescente uma descrição detalhada dos produtos e destaque todas as características e especificações. Isso permite que os usuários encontrem tais produtos procurando detalhes – tanto na busca interna quanto no Google.

  3. Inclua informações sobre as condições de compra – como disponibilidade, preço, política de envio e eventuais taxas – para permitir ao cliente saber os sistemas de pagamento aceitos e os tempos previstos para entrega.

  4. Adicione avaliações e comentários de clientes para ajudar os compradores a encontrar os produtos e no processo de tomada de decisão de compra.
     

Depois disso, você pode ficar de olho no Google Search Console para descobrir se suas páginas de produtos estão indexadas e como está sua performance – fazendo ajustes pontuais para que elas sejam bem ranqueadas e não apresentem problemas.
 

Verifique se todas as páginas estão indexadas

Além de dar atenção às páginas de produtos, você também pode usar o Google Search Console para garantir que todas as páginas do seu site estejam indexadas no Google. Isso garante que os usuários consigam encontrá-las em buscas orgânicas com facilidade.
 

Analise o desempenho do site

Depois de verificar se as páginas do seu e-commerce estão indexadas, o próximo passo é monitorar seu desempenho. Para isso, você pode usar o “Relatório de Desempenho” – que mostra a taxa de cliques, total de impressões, CTR média e posição média das páginas do seu site.
 

Identifique as consultas que trazem mais tráfego para o site

As pessoas estão procurando o nome da empresa, produtos específicos ou o tipo genérico de produto oferecido pelo site? Ter essas informações permite melhorar o conteúdo em determinadas áreas do site e otimizar o desempenho na pesquisa para as consultas que queremos nos concentrar.
 

A partir dessas informações, você pode explorar melhor as palavras-chave no seu site – tanto em páginas de produtos quanto no blog. Se os clientes de uma loja de roupas procuram bastante pelas marcas das roupas, é importante explorar palavras-chave relacionadas. Afinal, isso pode aumentar consideravelmente o tráfego qualificado gerado.
 

Analise o CTR das páginas de produtos mais importantes

O CTR (taxa de cliques) é uma das principais métricas que você precisa acompanhar. É importante ficar de olho na taxa de cliques das páginas principais dos produtos: se for baixa, significa que os usuários não estão clicando nos seus resultados de pesquisa e, portanto, pode ser o caso de escrever descrições ou títulos melhores.
 

Por outro lado, as páginas que apresentam um CTR acima da média podem servir de inspiração para criar novas páginas ou realizar ajustes nas páginas de baixa performance. Trata-se de um processo que requer atenção constante para que você ganhe visibilidade no Google.
 

Encontre falhas para corrigi-las

Um consumidor que tenta acessar a página de um produto e se depara frequentemente com uma página inválida pode ficar frustrado e procurar por um concorrente, não é? Você pode evitar isso usando o Google Search Console para identificar as páginas com erros – trabalhando para corrigi-las rapidamente.
 

Lifeapps: integração com o Google Search Console para gerar resultados consistentes

Você ficou interessado em explorar todos os recursos do Google Search Console? Suas funcionalidades podem se tornar ainda mais benéficas para um e-commerce quando integradas com uma plataforma de e-commerce de qualidade – como a LifeApps.
 

A LifeApps plataforma de e-commerce é fácil de integrar e flexível para qualquer negócio. Trata-se de uma solução totalmente integrada ao Google Search Console e que dispõe de todas as condições para a realização da otimização da gestão de dados do atacado distribuidor.

  • Para você. Expanda a área de atuação do seu varejo através de uma experiência digital nas mãos do seu cliente.

  • Vender. Um sistema de gerenciamento para o atacado/distribuidor, inteligente e integrado, que conecta clientes por vários canais.

  • Online. Alcance rapidamente compradores para aumentar a distribuição da sua indústria no mercado.
     

Você já conhecia todos os recursos do Google Search Console? Quer descobrir como a LifeApps pode contribuir com o sucesso do seu e-commerce? Então visite nosso site!