Passada a Páscoa 2020, as indústrias e comércios se preparam para avaliar os resultados e planejar suas próximas ações considerando todo o contexto proposto pelo novo coronavírus. Trata-se de uma situação inédita e repleta de incertezas para todo o mercado – evidenciando falhas nos processos de distribuição e a necessidade cada vez maior de atualização.

Estamos falando de impactos bastante marcantes nos resultados. A expectativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) era de que as vendas da Páscoa 2020 apresentassem uma queda 31,6% em 2020, na comparação com a Semana Santa de 2019.

E esse menor número de vendas ao consumidor final significa uma baixa saída da produção da indústria. Mas a mesma estratégia que o varejo vem adotando para manter o crescimento nas vendas pode ser adotada também pelo setor industrial nessa crise da pandemia: as vendas online.

O e-commerce é a saída mais natural nesse momento e reflete, inclusive, uma mudança no hábito de compras do consumidor brasileiro. A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), divulgou uma pesquisa em que aponta que o e-commerce em setores como alimentação e saúde cresceram 180% durante a pandemia.

Trata-se de uma tendência que já estava evidente antes do cenário atípico criado pelo novo coronavírus. Com esse exemplo das vendas da Páscoa 2020 e considerando a mudança de hábito dos consumidores, pode ser o momento ideal de modernizar a cadeia de abastecimento das indústrias.

Neste artigo veremos como a cadeia de abastecimento pode ter ajudado a salvar a Páscoa 2020 e quais são as principais lições que você pode levar para o seu negócio. Confira.

Novo coronavírus e o crescimento dos canais digitais

O novo coronavírus está exigindo um cuidado especial com a saúde da população. E uma das principais medidas é o isolamento social – que impede que muitas empresas continuem exercendo suas operações normalmente e tenham que migrar para o trabalho remoto.

Como consequência disso, está ocorrendo um forte movimento de digitalização dos negócios. Vários processos estão sendo migrados para o meio digital – incluindo os canais de vendas.

Em 17 de março, o Logistiek.nl publicou a previsão de que o comércio eletrônico deve crescer 50%. Além disso, o Digital Commerce também relatou um aumento de 52% nas vendas online e até 8,8% nos compradores online desde o coronavírus começou.

Muitas pessoas estão evitando lojas físicas, e os pedidos online são a maneira perfeita de fazer compras, especialmente para aquelas necessidades ou confortos para tornar esse tempo turbulento mais gerenciável.

Esse aumento nas vendas online é fortemente impulsionado por comércios que vendem produtos essenciais neste momento, como produtos de saúde e alimentos. Porém, trata-se de uma tendência que está se expandindo e deve chegar aos mais diversos setores – incluindo indústrias e organizações que atuam em modelo B2B.

Páscoa 2020: o primeiro grande teste

A Páscoa 2020 foi o primeiro grande teste para indústrias e comércios após o surgimento do novo coronavírus. Afinal, estamos falando sobre uma das principais datas quando analisamos os resultados de vendas.

Naturalmente, não foi possível manter as estratégias que vinham sido adotadas nos últimos anos por conta do cenário em que estamos inseridos atualmente. Porém, grandes indústrias alimentícias mostraram algumas soluções para contornar essas complicações – e isso pode servir de inspiração para muitas outras indústrias.

Veja o que algumas das conhecidas organizações fizeram para aumentar as vendas na Páscoa 2020:

Ferrero

A Ferrero fez uma parceria com a Rappi para vender e entregar seus produtos. Durante o período de vendas para a Páscoa 2020, a vitrine “Páscoa” da plataforma exibiu o portfólio de produtos da marca – composto pelas linhas Kinder, Ferrero Rocher, Ferrero Collection.

Arcor

A Arcor fechou uma parceria com o Site Mercado, uma plataforma online que reúne lojas virtuais de diversas redes de varejo. Dessa forma, foi possível viabilizar vendas e entregas de seus produtos em todo o território nacional.

Pelo site, os consumidores puderam comprar toda a linha de Páscoa 2020, composta por ovos, tabletes e bombons.

Nestlé

Em sua loja online, a Nestlé ofereceu frete grátis para todos os consumidores e garantiu a entrega prioritária para idosos. Na Páscoa 2020, foram oferecidos mais de 1.500 itens de marcas da Nestlé – como cafés, culinários, lácteos, cereais, bebidas, chocolates, achocolatados e alimentos para pets, entre outros.

Lacta

Na Páscoa 2020, a Lacta divulgou uma série de ações e parcerias para reforçar a atuação da marca em canais de e-commerce e delivey.

Uma dessas parcerias foi com o Uber Eats. Todos usuários que acessaram o aplicativo do Uber Eats tiveram acesso a todo o portfolio de Páscoa da Lacta, ofertado pela Americanas, e poderia optar por receber em casa suas compras.

Além disso, as compras a partir de R$ 50 reais tinham frete grátis e o serviço estava disponível em mais de 140 municípios de todo o Brasil.

Harald

A Harald implementou iniciativas para promover e contribuir com os microempreendedores durante a Páscoa 2020. Entre essas medidas estavam descontos de 50% em produtos e novidades nos seus canais digitais – como as aulas com os chocolatiers Lucas Corazza e Rafael Barros.

Linea Alimentos

Em parceria com a Giuliana Flores, a Linea conseguiu levar para todo o Brasil seus kits com chocolates sem adição de açúcar e flores na Páscoa 2020. Por meio do site da Giuliana Flores, três kits diferentes estavam disponíveis para os consumidores: um contendo o ovo tradicional de chocolate ao leite da Linea e margaridinhas; outra opção com um ovo de páscoa, um pacote de bombons recheados Linea e um delicado mix de flores; e uma cesta com um ovo de páscoa, bombons recheados e tabletes Linea com rosas vermelhas.

Importância de repensar os processos de abastecimento e distribuição

Em momentos de crise, os problemas que já existiam tendem a se tornar ainda mais evidentes, não é? Esse é o caso das cadeias de abastecimento e distribuição das indústrias – que são uma peça importante para que a máquina funcione corretamente.

Neste cenário, as empresas que investiram no mapeamento de suas redes de suprimentos antes da pandemia estão melhores preparadas. Elas têm melhor visibilidade da estrutura de suas cadeias de suprimentos. Em vez de precisar resolver tudo sob pressão, elas têm muitas informações na ponta dos dedos em questão de minutos após uma possível interrupção. Ou seja, os gestores sabem exatamente quais fornecedores, locais, peças e produtos estão em risco – o que lhes permite se colocar em primeiro lugar na fila para garantir estoque e capacidade restritos em locais alternativos.

Por outro lado, outras indústrias podem ter problemas para manter o fluxo de produção sem aumentar drasticamente os custos pela dificuldade em encontrar fornecedores confiáveis. Esse é um problema ainda mais grave para empresas que possuem fornecedores de outros países.

Além disso, é preciso considerar o caminho inverso. Assim como as matérias-primas precisam chegar até a sua organização, os produtos prontos precisam ser entregues aos clientes. Neste contexto, é preciso rever os canais de venda e distribuição para garantir eficiência neste momento de crise.

Benefícios de migrar para os canais digitais

Conforme vimos anteriormente, a Páscoa 2020 foi um grande exemplo de como as indústrias devem se adaptar a esse cenário criado pelo novo coronavírus. E a principal estratégia é a migração dos canais de venda para o formato digital – com vendas online.

Trata-se de uma estratégia que deve continuar sendo uma tendência no futuro – mesmo passada a Páscoa 2020 e os efeitos do novo coronavírus. Afinal, a tendência é que o mundo se torne cada vez mais digital.

Neste sentido, a opção por uma estratégia multicanal pode ser a melhor alternativa para que as organizações maximizem seus resultados de vendas.

Por que a estratégia multicanal é importante?

Grande parte dos consumidores preferem se conectar com as marcas por meio de vários canais antes de comprar. Essa é uma tendência que iniciou com os consumidores finais, mas também afeta fortemente o mercado B2B. Por essa razão, uma estratégia multicanal pode beneficiar sua organização de diversas maneiras:

  • Reconhecimento da marca além do interesse inicial. Quanto mais sua marca estiver “lá fora”, maior a probabilidade de as pessoas encontrarem você e lembrarem quando voltarem a vê-lo. E, atualmente, uma boa presença digital é fundamental para ser notado pelos seus potenciais clientes.

  • Coloque o possível cliente em primeiro lugar. Uma abordagem multicanal significa que você sempre captura o seu cliente no melhor momento e da melhor maneira. Com uma procura maior pelos canais digitais, nem todos os potenciais clientes podem estar dispostos a receber uma ligação ou a visita de um representando comercial. Porém, cobrir todas as áreas online e offline significa que você permite que seu possível cliente descubra sua marca da maneira que achar mais conveniente.

  • Alcance mais clientes. Expandir os canais de vendas para o comércio online permite que você alcance um volume maior de potenciais clientes. Além disso, as abordagens multicanais permitem ampliar seu alcance para prospects que não estavam no seu radar – geralmente com pouco custo extra.

  • É rápido. Um lead interage com sua empresa várias vezes antes de se sentir pronto para falar com um representante de vendas. Isso é acelerado enormemente por uma abordagem multicanal, quando você começa a aparecer em todos os lugares que eles olham e, antes que eles percebam, a sua é a única marca que eles têm em mente!

  • Uma alternativa neste momento de crise. Conforme já analisamos no exemplo da Páscoa 2020, a expansão dos canais de distribuição é uma ótima forma de contornar as dificuldades impostas pelo coronavírus.

Quais são os benefícios das vendas online?

Seguindo o exemplo das grandes indústrias que precisaram se adaptar na Páscoa 2020, as organizações que optarem pelas vendas online podem obter diversos benefícios. Veja quais são os principais deles:

  • Permanecer competitivo. As vendas online crescem ano após ano. Levando isso em consideração, as empresas precisam entrar de vez no mundo digital para que consigam se manter competitivas.

  • Tornar-se global. A internet permite que você expanda os limites do seu negócio. Trata-se de uma forma de alcançar novos clientes – que podem estar localizados em qualquer lugar do país. Dessa forma, você começa a construção de uma marca com presença global.

  • Redução de custos. As vendas online representam custos muito baixos e geram uma redução de custos em relação às operações por outros canais. É possível economizar com uma redução da estrutura física necessária, publicidade digital, folha de pagamento, entre outros aspectos.

  • Melhor direcionamento e mais personalização. Modelos de marketing e vendas digitais permitem que você colete, sintetize e use informações e dados de clientes com mais facilidade do que os canais tradicionais. Dessa forma, é possível personalizar suas promoções e outras ofertas, pois você tem dados sobre seus clientes integrados automaticamente ao sistema.

  • Diferentes fluxos de tráfego. Ao expandir suas vendas para os canais digitais, você garante o recebimento de um tráfego qualificado com interesse nos produtos da sua empresa.

  • Experiência mais agradável para o cliente. Fazer compras online é uma experiência mais suave e confortável para muitos consumidores. Quando uma loja online é montada da maneira certa, a facilidade de pesquisar, navegar e fazer pedidos pode compensar facilmente o custo de remessa extra. Esse é especialmente o caso se recursos especiais, como bate-papos ao vivo, são configurados para responder às perguntas dos clientes 24 horas por dia.

E, então, você gostou das informações sobre a necessidade de adaptação para as vendas na Páscoa 2020? Está preparado para expandir seus canais de vendas para o mundo online? Descubra como as soluções LifeApps podem ajudá-lo.