Uma das principais noticias em todo mundo atualmente é a pandemia de coronavírus e seus impactos na sociedade. Apesar de todas as ações realizadas para minimizar seus efeitos e a criatividade utilizada para se adequar a nova realidade, o Covid-19 está afetando todos os tipos de indústrias. 

O mercado de ações entrou em uma nova onda de volatilidade, eventos importantes de negócios foram cancelados ou adiados, restrições de viagens além-fronteiras estão complicando ou cancelando os planos das pessoas, e vários países foram fechados por causa do coronavírus.   

Em tempos de crise, quando as notícias são cheias de manchetes chocantes e difíceis, é importante manter a calma e lembrar que ainda existem coisas que podemos controlar e muitas maneiras de fazer a diferença com criatividade. 

Assim como todos nós estamos aprendendo a lidar com o vírus na vida cotidiana, tomando precauções adicionais, como lavar as mãos com frequência, desinfetar superfícies frequentemente tocadas, existem estratégias associadas à criatividade que as equipes de vendas devem empregar para lidar com o impacto comercial do Covid-19 nos negócios. 

Criatividade deve ser a palavra-chave para quem busca manter a empresa viva

Aqui estão algumas estratégias criativas que as equipes de vendas devem usar para garantir que seus pipelines de vendas funcionem corretamente.

  1. Use seu “estoque” de novos negócios neste momento

Assim como estocar suprimentos que você acha que sua casa pode precisar em caso de quarentena, você também precisa “estocar” as perspectivas de vendas.

É preciso ousadia. Dedique tempo extra, esforço, recursos e criatividade para prospecção e geração de leads neste momento, mesmo se você estiver ocupado. Não importa se você não estiver em um setor que tenha sido diretamente impactado pelo coronavírus até agora: existe a possibilidade de que esse surto possa levar a impactos econômicos mais amplos e graves. 

Sua empresa será bem-servida por ter uma reserva de clientes em potencial para trabalhar ao longo prazo. Mesmo que o coronavírus acabe sendo um pânico em curto prazo, ou se for pior do que o esperado e a economia se mantenha em recessão, nunca é uma má ideia investir em um canal bem abastecido de perspectivas de vendas. 

  1. Adapte seus produtos e serviços visando resolver as preocupações do coronavírus

Dependendo dos tipos de soluções que você vende, seja ela B2B ou B2C, é possível que seus clientes em potencial já tenham problemas e preocupações significativas sobre o coronavírus. 

Passe algum tempo repensando e mudando o ângulo sobre quais são os principais benefícios de seus produtos e serviços, de uma maneira que seja relevante para as preocupações sobre o coronavírus. 

Existe um argumento de vendas relevante que pode ser utilizado em seus produtos e serviços que possa ajudar seus clientes a se adaptarem ao coronavírus ou benefícios para ajudá-los a superar a crise? 

Por exemplo, muitas empresas já estão anunciando uma mudança agressiva em direção ao trabalho remoto, e incentivando as pessoas a trabalhar em casa. 

Se você vender soluções em nuvem, concentre novamente seus esforços de marketing e inovação para vender acesso remoto a empresas que podem manter seus escritórios funcionando, com funcionários trabalhando em casa. 

Além disso, outras empresas estão tendo que cancelar os planos de viagem, pois grandes conferências e feiras do setor estão sendo adiadas ou canceladas. 

Se você vende uma plataforma de eventos virtual ou um software de colaboração, essa pode ser uma ótima chance de mostrar aos seus clientes em potencial o valor de poder ter suas conversas comerciais mais importantes on-line, mesmo que as reuniões da vida real não sejam possíveis no momento. 

Os mesmos pontos de venda do seu produto que já eram relevantes antes do coronavírus ainda podem funcionar, mas talvez você precise ajustar um pouco o seu discurso de vendas para enquadrar suas soluções para as preocupações mais urgentes das pessoas. 

Seus clientes potenciais podem estar lidando com vários pontos problemáticos do coronavírus, como:

  • Possíveis interrupções relacionadas aos coronavírus em seus negócios.

  • Adaptação a novas restrições de viagem ou desligamentos relacionados ao coronavírus em sua cadeia de suprimentos.

  • Como colaborar com trabalhadores remotos de novas maneiras.

  • Aprimorar a segurança na nuvem ou o seguro comercial para lidar com possíveis ameaças emergentes.

Algum desses pontos problemáticos lhe parece familiar, com base em seus clientes e na indústria? Nesse caso, adapte com ousadia e criatividade esses ângulos ao seu discurso de vendas. 

Todos esses pontos são possíveis para mostrar como suas soluções podem ajudar, durante os períodos de coronavírus e quando a vida voltar ao normal, basta investir na criatividade.

  1. Use a criatividade e crie novas apresentações de vendas

Como vimos, o coronavírus está forçando muitas empresas a reduzirem viagens e reuniões pessoais. Isso significa que as apresentações baseadas na Web são mais importantes do que nunca. 

Use a criatividade e comece a reformular seu discurso de vendas em uma apresentação virtual completa. Esteja preparado para fazer mais do seu discurso na Web.

Isso pode exigir uma alteração no seu processo de vendas. Talvez você esteja acostumado a fazer uma ligação inicial do tipo descoberta como estágio um do seu ciclo de vendas e, em seguida, o próximo contato seria uma reunião presencial – e você deve rever esse estágio.

Portanto, esteja pronto para usar a criatividade e manter suas vendas avançando, fazendo coisas que você nunca imaginou ser possível. A exemplo de:

  • Levar seu cliente a um passeio virtual pela fábrica, usando o FaceTime ou aplicativos de conferência móvel.

  • Fazer uma demonstração detalhada do produto que inclua sua equipe técnica – que, normalmente, não se envolve até mais tarde na venda.

  • Enviar ao seu cliente um vídeo do YouTube do seu produto ou solução em ação, e falando através da conferência na Web enquanto assistem ao vídeo juntos.

  • Pensar criativamente. Usar várias ferramentas de colaboração e procurar aplicativos de comunicação para conversar com seus clientes. 

  1. Não entre em pânico, não pare de vender 

Evite pânico. E pare de assumir que o céu está caindo. Continue vendendo e prospectando. Muitas pessoas, agora, parecem à beira do pânico com o coronavírus, e algumas dores econômicas serão sentidas no curto prazo. Mas acredite sempre que vamos superar essa crise de saúde pública. 

É claro que é preciso internalizar que a vida pode não voltar totalmente ao normal imediatamente. Portanto, procure maneiras de se adaptar e continuar fazendo negócios

As vendas podem ficar paradas por um certo tempo, mas certifique-se de manter o contato com os clientes sempre aquecidos. E continue acompanhando seus leads. 

Oportunidades em tempo de crise

Fazendo uma retrospectiva da história, ela nos mostra que crises e ameaças extremas podem ser úteis para direcionar indivíduos a novos caminhos, um país e até o mundo para uma solução. 

Certa vez, o Presidente americano John F. Kennedy sugeriu que das crises podem surgir novas e incríveis oportunidades, principalmente se abordagens e paradigmas tradicionais forem questionados e desafiados. 

Durante uma crise, os incentivos e motivações mudam, potencialmente levando a novos comportamentos cooperativos e até à criação de novos sistemas ou estruturas.

Tire benefícios de crises passadas

O passado nos revela várias maneiras pelas quais as crises ofereceram benefícios inesperados para sociedades e países, empresas e negócios.  “A necessidade é a mãe da invenção” e, muitas vezes, uma crise atua como um gatilho para inovação, levando a rápidos avanços em tecnologia, política e novos negócios.

Vemos exemplos em toda parte: um gasoduto explode, destruindo um bairro inteiro; um escândalo de corrupção derruba um líder corporativo; uma violação de dados abala a confiança do cliente; questões de qualidade dão origem a um recall maciço de produtos. Estes são apenas alguns exemplos entre muitos que mostram porque as empresas precisam de planos de gerenciamento de crises.

  • LG Electronics

Todas as empresas – e não apenas a LG – foram afetadas negativamente pela crise financeira asiática de 1997: O fraco desempenho de muitas empresas globais no último trimestre de 2008 foi um alerta para tomar ações drásticas, não apenas seguras.

No final de 2008, a LG Electronics estabeleceu uma Sala de Guerra de Crise (CWR) para reunir as cinco unidades de negócios da LG, oito sedes regionais e executivos para implementar e gerenciar o agressivo plano de negócios da empresa. 

Em apenas três curtos meses, a CWR – com a colaboração de cada uma das unidades de negócios e divisões da empresa, como gerenciamento da cadeia de suprimentos, marketing, compras, recursos humanos e finanças – identificou e desenvolveu 11 itens de ação principais. 

As unidades de negócios foram instruídas a estabelecer equipes de força-tarefa para assumir a responsabilidade de gerenciar as iniciativas de economia de custos.

  • FedEx

Quando a Opep quadruplicou seus preços do petróleo no início dos anos 70, os EUA atingiram um período de recessão, estagnação e alto desemprego. A FedEx, fundada em 1971, começou a enviar pacotes em 1973, assim que o embargo ao petróleo começou. 

Os dois anos seguintes quase destruíram a empresa: Fred Smith, o fundador, faturou a maior parte dos US$ 84 milhões que havia levantado, apesar de estar cumprindo a missão da empresa, de entregar documentos da noite para o dia. Mas fazer isso significava ampliar gastos com o aumento dos custos de combustível. 

O compromisso do fundador com sua missão manteve a empresa à tona, assim como uma campanha publicitária inovadora que convenceu os clientes de que seu serviço era uma necessidade. Seus esforços foram recompensados: em 1980, os lucros atingiram US$ 38,7 milhões.

  • Serco

Serco foi o “rei da terceirização” nos Estados Unidos durante muitos anos. No auge, a empresa estava ganhando metade de todos os contratos governamentais. Ela administrava um quinto das prisões americanas e até ogivas nucleares. 

Então, veio o baque. Acusações de fraude em um contrato de prisão foram tornadas públicas. A proibição bloqueou a licitação da Serco para novos contratos, então, a empresa tomou uma ação radical: a gerência sênior foi trocada. 

Os contratos foram examinados quanto a cláusulas problemáticas e uma nova modelagem de risco foi introduzida. A Serco não mais ofereceria seus serviços por todos os contratos no mercado. O resultado? Uma organização mais enxuta e mais justa, com um preço estável das ações.

Fazendo as coisas certas

No mundo dos negócios, desafios podem surgir diariamente, seja tentando satisfazer os investidores e atender a folha de pagamento, lidando com complicações inesperadas ou usando a criatividade para entregar um novo produto ou serviço ao mercado.

Nem todo mundo está preparado para o trabalho de navegar em águas tão tempestuosas, mas aqueles que conseguem transformar em vantagem o que parece ser um fluxo interminável de crises com criatividade, geralmente, surgem mais fortes e conseguem mais. 

Transformar a crise em oportunidade pode resultar em crescimento e sucesso fundamentais a longo prazo.

De acordo com a empresa de serviços profissionais EY, trata-se de garantir que os objetivos de negócios e o gerenciamento de riscos estejam alinhados. Ele cita um estudo em que 97% das empresas disseram ter desenvolvido e melhorado como resultado de um melhor alinhamento dos níveis de risco com possíveis recompensas. 

É importante, desde o início, compreender a profundidade de uma crise e como superar os obstáculos que a vida parece estar colocando no seu caminho. Melhorar a si mesmo ou a sua empresa requer aceitação de risco e vontade de mudar o curso dos eventos.

Canalizando o risco para crescer

Em vez de reagir com negatividade e reclamações, os indivíduos devem aproveitar a oportunidade de aprender e superar com criatividade as dificuldades que uma crise apresenta. 

Considere, por exemplo, que empresas de sucesso como Microsoft e LinkedIn foram fundadas em tempos de crise econômica. Portanto, em vez de deixar sua percepção dos eventos obscurecer seu julgamento, permita que seja a fonte de motivação para lutar contra a corrente. 

Ao aceitar a situação como ela é e ter a solução, você poderá controlar o resultado com mais eficiência. Os clientes também tendem a se sentir mais conectados com empresas que exibem uma abordagem com criatividade, e mais desejável além do interesse próprio. Quando as pessoas identificam um esforço extra para fazer o que é melhor, as empresas realizam mais a longo prazo. 

Preparando-se para as próximas crises

Tudo se resume a pensar de maneira diferente e com criatividade para transformar sua mentalidade e superar o que você acha impossível. Nem toda crise será a mesma. 

O que você precisa fazer é simplesmente reconhecer a crise pelo que é e concentrar toda a sua energia em acertar os ponteiros. Quando o público estiver ciente de que você ou sua organização resolveram o problema em questão, ele vai permanecer.  

Mesmo quando você tem um plano de negócios “perfeito”, uma crise ainda pode acontecer. No final do dia, as empresas são compostas por humanos, que cometem erros. Ser capaz de responder e emergir com criatividade e mais forte do que era antes é o que o diferencia do resto – e principalmente dos concorrentes.

E você, como está lidando com esse período de crise? Está pensando fora da caixa?