Falar em futuro do trabalho em um presente que já está em constante mudança é um grande desafio para as empresas. O Fórum Econômico Mundial em sua reunião realizada em 2019 já nos mostrava o que vem por aí para os próximos anos quando disse:

“As próximas duas décadas prometem uma revolução em larga escala em nossas vidas profissionais.”

O futuro do trabalho é um tópico presente nos principais debates e discussões a respeito do tema, e com toda razão. É sempre importante perguntar “Para onde estamos indo?”, especialmente em um ambiente tão centrado na mudança quanto o nosso.

De fato, o trabalho do futuro já chegou e os líderes estão basicamente reinventando sua mão de obra através da força de trabalho. Impulsionados principalmente por uma onda de novas plataformas sob demanda e soluções de gerenciamento de trabalho online, modelos e hierarquias que estão sendo desenvolvidos e substituídos por um mercado de talentos em total transformação.

As empresas, sob forte demanda por novos produtos e serviços voltados ao mercado digital, fornecerá a rápida inovação e mudanças organizacionais que as empresas precisam para se transformar em negócios verdadeiramente digitais.

O futuro do trabalho que já chegou: 10 principais tendências para os próximos 10 anos

O relatório Tendências Globais de Capital Humano da Deloitte feito 2019, baseado em uma pesquisa com 10.000 participantes em 119 países, baseia-se no que os profissionais hoje estão atribuindo valor e no que sentem ser e seriam as maiores oportunidades e desafios a serem enfrentados nos próximos anos.

Com essas percepções globais definindo o contexto, vamos mergulhar nas dez principais mudanças a serem observadas no trabalho do futuro para os próximos dez anos nas empresas de diferentes segmentos, inclusive nas empresas de distribuição.

  1. Aprendendo a aprender, desaprender e reaprender

Mudança pressupõe adaptação. Com um ambiente de negócios cada vez maior e suas ferramentas cada vez menores, como é o caso dos dispositivos móveis, e passando por mudanças digitais e tecnológicas, não é surpresa que os profissionais de todo o mundo percebam o aprendizado como a tendência mais importante para se preparar.

Para organizações de grandes resultados, o aprendizado não é o fim nesse processo de mudança, é o comportamento que impulsiona o desempenho. O aprendizado e o gerenciamento de desempenho não coexistem apenas, eles dependem um do outro.

Para oferecer experiências de aprendizado que aumentam o desempenho, os líderes operacionais precisam capacitar os funcionários para impulsionar seu próprio desenvolvimento com um aprendizado alinhado ao indivíduo, à equipe e aos objetivos de negócios relacionados.

  1. Conduzindo a experiência do funcionário

A crescente importância da interface do usuário também se estendeu ao local de trabalho. No trabalho, no entanto, a experiência da mão de obra profissional não se limita apenas às interfaces tecnológicas, toda interação que um funcionário tem com a organização desde o estágio da candidatura até quando o funcionário sai ou se aposenta.

Com a tecnologia preparando o caminho, as organizações precisam se adaptar ao tipo de experiência que os funcionários desejam. Todos os aspectos do gerenciamento de talentos e das métricas de pessoas precisam ter não apenas a meta de negócios em mente, mas também a meta de fornecer uma experiência envolvente para os funcionários.

  1. Mobilidade de talentos versus estagnação e complacência

Na atual corrida pela mão de obra com talento, o engajamento é a chave para manter os funcionários certos. Para envolver os funcionários a longo prazo, é preciso haver uma cultura que lute contra a estagnação da carreira e a imobilidade de papéis.

Permitir que os trabalhadores se movam dentro do sistema, encontrem seu nicho, tenham permissão para mudar e encontrem um novo nicho para reinventar suas habilidades é uma ótima maneira de ajudar os funcionários a crescer e retê-los. Isso vale especialmente em um ecossistema com uma força de trabalho alternativa crescente.

  1. A evolução da liderança

Muitas forças de trabalho agora são virtuais, o trabalho em casa é um dia normal no escritório, as equipes se reúnem e desmontam com base em projetos sem funções ou títulos fixos, mas combinando competências para as necessidades do projeto.

Os líderes que virão precisam poder lidar com essa força de trabalho, construir relacionamentos eficazes e criar uma estratégia vencedora todos os dias. As habilidades de liderança mais centradas no ser humano serão a maior prioridade em um mundo que fica progressivamente dependente de Inteligência Artificial (IA) com uso de chatbots, Aprendizado de Máquina (ML) e outras recente tecnologias.

  1. Tecnologia de RH ágeis, melhores e mais simples

Com a tecnologia de RH se tornando uma tendência que as organizações precisam adotar e adaptar efetivamente, tanto a mentalidade da empresa quanto o planejamento orçamentário precisam ser a favor da transformação mais suave. Isso se aplica à seleção das ferramentas e suítes corretas de gerenciamento de capital humano.

Um bom sistema de gerenciamento de capital humano também deve permitir recursos plug and play fáceis. É aí que o futuro da tecnologia de RH precisa liderar as organizações, rumo a um trabalho ágil, inteligente e envolvente.

  1. Criatividade, colaboração e comunicação

O futuro do trabalho exige que as organizações invistam na criação de uma cultura onde a criatividade prospera, a colaboração é facilitada e a comunicação é incentivada. A tendência atual de liderar pelo exemplo exige que essa mudança cultural seja conduzida de cima para baixo, com o envolvimento efetivo dos funcionários do alto escalão.

A colaboração não se refere apenas à cooperação entre equipes e funções, mas também entre líderes de negócios e chefes de RH.

  1. Do bem-estar à felicidade no trabalho

A importância da saúde mental e emocional no trabalho está ganhando força cada vez maior e com toda razão.

Com ferramentas habilitadas para Inteligência Artificial para monitorar e orientar melhor a saúde dos funcionários, a tendência de criar uma força de trabalho mais saudável e feliz está guiando ativamente as decisões organizacionais.

  1. A ascensão dos “super-empregos”

Com os trabalhos evoluindo para “superjobs” que definem o contexto para o desenvolvimento de novas habilidades, os processos básicos e nossa compreensão deles também passariam por alguns ajustes.

Essa é uma tendência separada da atualização mais difundida nos processos de aprendizado e desenvolvimento, porque isso tem a ver com a modificação de cargos, tarefas e funções como as conhecemos.

  1. Um tesouro de dados

Hoje, nosso universo de dados define quem somos e todas as experiências digitais que surgem são baseadas e ajustadas à nossa identidade de dados. Até empresas como o Twitter usam algoritmos para fazer suposições precisas sobre nosso gênero, por exemplo, simplesmente com base em nossa atividade na plataforma. Tudo isso, apenas para experimentar um mundo mais personalizado.

É isso que as empresas que buscam o futuro do trabalho próximo precisam explorar de maneira inteligente para mergulhar em um pool de informações prontas e sob demanda para tomar melhores decisões, criar locais de trabalho mais felizes e levar a um maior sucesso nos negócios.

  1. Vencendo com diversidade

Com a diversidade, apesar das várias linhas de conversa sobre o assunto, o processo tem sido relativamente lento desde os estereótipos, ser preconceituoso e exercer viés são todos padrões de pensamento e comportamento que estão evolutivamente arraigados em nós.

Dito isto, a tendência está certamente em ascensão e, com a tecnologia dando mais impulso a ela, a próxima década poderá esperar o momento se intensificar à medida que novas composições demográficas começarem a trabalhar juntas.

Embora essas sejam as principais tendências que vemos crescer para impactar o local de trabalho na próxima década, o mundo do trabalho é um macrocosmo dinâmico, onde mesmo as menores mudanças levam a grandes diferenças e subsequentes ondas de tendência.

No entanto, o que as organizações precisam se perguntar é se estão felizes em acompanhar ou estão prontas para liderar a mudança.

A mudança da força de trabalho: tendências que também chegam nas empresas de distribuição

Embora as estratégias dos centros de distribuição sejam quase sempre orientadas principalmente por considerações de logística, o acesso à força de trabalho continua a desempenhar um papel crítico.

Seja contratando 20 ou 2.000 funcionários do centro de distribuição, as empresas precisam ter certeza de que podem atender às suas necessidades de contratação, tanto para operações normais quanto para elevações sazonais.

Em resumo, entender a força de trabalho nas comunidades é tão crítico como sempre para identificar os locais ideais.

As condições do mercado de trabalho em tempo real no setor de distribuição é a mudança na demanda pelas principais ocupações de movimentação de materiais.

Equilibre diversas análises para identificar condições ideais da força de trabalho

Embora existam várias maneiras de monitorar e avaliar as condições do mercado de trabalho para atividades de logística, não há um único ponto de dados que destaque o mercado de trabalho ideal para um centro de distribuição por conta própria.

Como resultado, é importante equilibrar as projeções de emprego a longo prazo e as condições do mercado em tempo real para minimizar o risco associado à localização, em um futuro do trabalho em grande transformação, que também impacta as empresas de distribuição.

Os armazéns também estão aumentando a adoção da automação para atender aos requisitos de atendimento direto ao consumidor. As características altamente variáveis ​​da indústria de comércio eletrônico atual estão fazendo com que os varejistas e atacadistas busquem soluções mais adaptáveis ​​e escaláveis.

A tendência de crescimento das compras do sistema de transporte e robótica móvel autônoma no armazém continuará. No entanto, a automação de armazém geralmente é apenas uma parte da solução para atender às necessidades da empresa.

E espera-se apenas mitigar, e não solucionar, o desequilíbrio entre oferta e demanda de trabalho.

A “cadeia de suprimentos digital”? será o conceito de tecnologia em distribuição para os próximos anos

A cadeia de suprimentos digital “é um termo abrangente que continuará sendo usado para identificar os esforços de software, comunicação e automação da cadeia de distribuição que atendem a determinados critérios digitais.

O termo é amplo o suficiente para incluir uma gama de tecnologias e casos de uso. Mas não há um universalmente (ou mesmo amplamente) definição aceita da cadeia de abastecimento digitais no entanto, a digitalização, comunicação de informação e armazenamento em formato legível digital, computador – é certamente um requisito fundamental.

Com a tecnologia avançando, o aprendizado de máquina, Inteligência Artificial e Internet das Coisas, por exemplo, são aplicáveis a um vasto número de tecnologias de logística que impactará o futuro do trabalho nas empresas de distribuição.

Elas estão sendo aplicadas para aprimorar os sistemas de gerenciamento de armazém, sistemas de visão robótica, planejamento e visibilidade da cadeia de suprimentos, e muito mais.

Além disso, as operações de atendimento estão valorizando mais a adaptabilidade para atender a horizontes de atendimento mais curtos e às constantes mudanças nas necessidades do mercado.

Portanto, a necessidade de se adaptar ao futuro do trabalho com novas habilidades não vai diminuir. A previsão é que as novas tecnologias e formas de trabalhar sejam aplicadas de maneira muito mais abrangente nas empresas de distribuição em 2020 e muito além.