O surto de COVID-19 expôs a fragilidade da cadeia de suprimentos global e, por sua vez, o gerenciamento de estoque de muitos negócios. Como consequência, as empresas estão vendo cada vez mais a necessidade de vender produtos diretamente aos clientes pela Internet, com uso de recursos de e-commerce, além dos canais de vendas e distribuição estabelecidos.

Para empresas acostumadas a enviar produtos para varejistas ou distribuidores, pode ser difícil acomodar unidades individuais ou pequenas embalagens diretamente aos clientes, porque há pouca ou nenhuma infraestrutura configurada para isso. Essas empresas basicamente devem buscar:

  • Configuração para picking, embalagem, envio ou retirada na loja de pedidos individuais, ou, ainda, em centros alternativos de distribuição.

  • Estabelecer ou reforçar relacionamentos com serviços de envio de entregas.

  • Adaptar as funções de pedido e cobrança para o volume adicional e métodos de pagamento alternativos que serão empregados.
     

O gerenciamento de estoque para o comércio eletrônico é cada vez mais desafiador

Além deste novo cenário de pandemia e o aumento da demanda de produtos através das lojas virtuais, mesmo no pós-pandemia, exige o gerenciamento de estoque eficiente para atender aos desafios do comércio eletrônico. 
 

Políticas e processos de estoque voltados para vendas em volume e remessa em quantidades reduzidas podem ser estressados ​​pela falta de eficiência no fluxo de pequenos pedidos. 
 

Todo o planejamento de recursos de fabricação e processo de planejamento começa com a demanda e o estoque, incluindo matérias-primas e peças, bem como produtos acabados, e é gerenciado e preparado para esses volumes.
 

 Além disso, a adição de demanda de baixo volume e inerentemente volátil por produtos acabados é um grande desafio. Na verdade, muitos fabricantes já enfrentam uma situação semelhante com suas peças de reposição. 
 

Os sistemas de planejamento são configurados para o fornecimento de peças à produção, mas esses planos podem ser interrompidos quando a demanda por peças sobressalentes direcionar algumas dessas peças inesperadamente. 
 

E quando o equipamento de um cliente é quebrado, ele precisa dele o mais rápido possível, e não na próxima execução de reabastecimento. A escassez resultante de peças pode interromper os cronogramas de produção, causando caos na loja e datas perdidas de remessa do cliente, ou remessas curtas para esses grandes pedidos.
 

Como as empresas lidam com a mistura de volume e demanda de pedidos e peças de reposição? A resposta curta é “não muito bem” 

A maioria das empresas luta com isso e acaba com um nível de estoque em excesso – estoque de segurança para protegê-las dessa demanda extra pequena, mas importante. 
 

Algumas reservam essas quantidades extras em um depósito separado, indisponível para produção. Mas você sabe como isso acontece: se uma produção é curta e a ideia é não decepcionar um bom cliente, você usará o estoque de peças sobressalentes, se for conveniente.
 

A busca pela excelência na gestão de estoque para comércio eletrônico

A abordagem inteligente ao gerenciamento de estoque para comércio eletrônico é atualizar seus processos de planejamento para acomodar a natureza mista da demanda e fazer um trabalho melhor de previsão – com demanda pequena e intermitente, é notoriamente difícil de prever com qualquer tipo de precisão. 
 

A maioria dos sistemas ERP pode lidar com demanda mista, mas as pessoas e os processos necessários para acompanhar e gerenciar efetivamente o inventário não acompanham o software. 
 

É preciso disciplina e entendimento, juntamente com um bom planejamento e previsão, para oferecer um bom atendimento ao cliente para pedidos em massa e vendas diretas sem um alto nível de estoque em excesso. 
 

Existem sistemas avançados de gerenciamento de estoque que oferecem recursos mais sofisticados, além de melhores sistemas de previsão, particularmente bons em lidar com demanda intermitente e de baixo volume.
 

4 estratégias críticas de controle de estoque

A pandemia do COVID-19 forneceu inúmeras lições, inclusive para todos os aspectos da cadeia de suprimentos. Aqui estão quatro estratégias de gerenciamento de estoque que os líderes da cadeia de suprimentos e os gerentes de inventário podem usar daqui para frente.
 

  1. Preste mais atenção aos sinais do consumidor

Os líderes de hoje devem prestar ainda mais atenção às demandas dos clientes.
 

Quando a pandemia do COVID-19 começou, as empresas experimentaram mudanças bruscas na demanda dos clientes e nas preferências de canal. As organizações que não estavam preparadas provavelmente falharam com seus clientes. Para evitar isso, as empresas precisavam de tanta visibilidade quanto possível em seus estoques.
 

As técnicas fundamentais de gerenciamento de estoque foram, provavelmente, baseadas em um princípio central: “O que aconteceu ontem tem uma probabilidade muito alta de acontecer amanhã”. Quando essa regra foi violada devido ao COVID-19, tudo deu errado.
 

As empresas que navegaram com sucesso após o primeiro choque inicial receberam os sinais do cliente final.
 

Alguns varejistas de comércio eletrônico estão vendo um aumento considerável na demanda por produtos como desinfetantes para as mãos, sabão e remédios para gripes e resfriados. Quando se trata dessas necessidades essenciais de saúde, é importante verificar com o gerenciamento de estoque o nível desses itens, principalmente em áreas onde há mais casos de coronavírus.
 

Além disso, as empresas devem estabelecer canais de comunicação mais fortes com suas redes de distribuição para que possam compartilhar informações com mais precisão para identificar padrões de demanda regionais.
 

No entanto, as empresas devem questionar se os sinais de demanda que estão recebendo de seus clientes finais a curto e médio prazo são realistas. Recuperação dos estoques em tempos de coronavírus significa planejar agora e no futuro.
 

A equipe de planejamento de demanda, usando sua experiência no setor e as ferramentas analíticas disponíveis, deve encontrar um sinal de demanda confiável para determinar o suprimento necessário, cujo resultado deve ser discutido e acordado no processo integrado de planejamento de vendas e operações. 
 

  1. Foco nos dados

Como o gerenciamento de estoque pode ser muito complexo, a priorização de dados é uma estratégia crítica de gerenciamento de estoque para praticamente todas as empresas.
 

Devido à pandemia do COVID-19, é importante que as empresas conectem as operações às informações epidemiológicas em constante mudança sobre a propagação do vírus, fatores de risco e seu impacto na infraestrutura médica.
 

Portanto, é fundamental para uma gestão eficiente de produtos ter informações valiosas sobre as regiões e sistemas de saúde para a maior necessidade de máscaras, luvas, aventais, materiais de higiene que possam fazer parte de todo o processo de recebimento e entregas.
 

Informações e dados epidemiológicos faz com as empresas tenham, em tempo real, análises contextuais em torno da progressão do surto e da ligação aos riscos em vários locais, para que possam vincular o planejamento de remessas com mais uma visão de como a doença estava mudando.
 

Dados precisos, adequadamente selecionados e transformados em informações detalhadas, são uma das melhores armas contra a pandemia.
 

  1. Diversifique a rede de fornecedores

As organizações que estão melhor posicionadas para enfrentar o surto de COVID-19 ou qualquer pandemia são aquelas capazes de encontrar rapidamente fornecedores alternativos para manter as operações funcionando.

 

A pandemia do COVID-19 fez com que as organizações considerassem investir em cadeias de suprimentos mais “flexíveis e resilientes”. 
 

De fato, é necessária flexibilidade em termos de capacidade de reposicionar ou ter uma rede ágil que permita que as empresas respondam adequadamente. Embora a velocidade e o custo do serviço continuem sendo importantes, a flexibilidade e a resiliência dos estoques provaram ser diferenciais críticos.
 

  1. Concentre-se na precisão do estoque

Outra estratégia crítica de gerenciamento de estoque é entender quais produtos são acessíveis.
 

Durante a pandemia do COVID-19, a precisão e a confiabilidade dos níveis de estoque de uma organização se tornaram ainda mais importantes.
 

Saber o que você tem é realmente importante, e onde está localizado também é fundamental, uma vez que algumas empresas distribuíram seus estoques em vários locais. A empresa precisa entender o que há em cada um desses armazéns, quão precisos são os registros, se as pessoas estão atualizando o estoque quando colocam algo ou tiram algo.
 

As organizações que não possuem bons processos de gerenciamento de estoque e acesso a números precisos, provavelmente, terão que fazer um grande esforço para acompanhar a demanda em algumas categorias ou ter um excesso de oferta de itens nos quais os clientes estão subitamente menos interessados.
 

Os problemas surgem quando uma empresa pensa que possui, por exemplo, 10 semanas de estoque de um item específico em seus armazéns, e depois percebe que realmente só tem 6 semanas de estoque. 
 

E então, se seus fornecedores forem afetados pelo COVID-19, você perderá a capacidade de entregar aos clientes e. Neste exemplo, a empresa “perderia quatro semanas de receita”.
 

O planejamento do gerenciamento de estoque é a combinação da capacidade de ter produtos para atender à demanda no momento certo, com a quantidade certa e no local certo

 

O processo de planejamento de vendas, estoque e operações gera receita, lucratividade e fluxo de caixa. Por isso, uma abordagem integrada de gerenciamento de negócios e o processo de estoque e operações visa ajudar as organizações a alinharem melhor a demanda (previsões de vendas) com a oferta (a capacidade de atender à previsão de vendas da maneira mais lucrativa). 
 

Além disso, o desenvolvimento de um plano de oferta e demanda pode ajudar as empresas a entenderem melhor a demanda de produtos, a fim de reduzir a quantidade de estoque que mantêm, sem afetar negativamente os níveis de serviço.
 

Para funcionar, o processo de estoque e operações reúne representantes de diferentes departamentos, por exemplo, vendas, marketing, operações e finanças, que, juntos, devem concordar com um plano de produção para equilibrar a oferta e a demanda. Isso aumenta a comunicação e o trabalho em equipe.
 

Embora estoque e operações seja um processo e não uma tecnologia, o software pode ajudar a automatizara a rotina, facilitar a colaboração de vendas, marketing, finanças e operações e tornar os dados pertinentes mais acessíveis.
 

Por exemplo, os líderes podem preparar previsões de vendas usando análises, ferramentas de previsão ou software de planejamento de demanda. Eles também podem lidar com o planejamento da produção usando um módulo ERP ou no software de planejamento de requisitos de material.
 

ERP pode fornecer recursos avançados para ajudar a mitigar os impactos da interrupção

Algumas organizações pausaram implementações ou atualizações. Alguns pararam completamente os projetos de ERP. Outras empresas, no entanto, estão descobrindo que uma atualização do ERP, agora, pode fornecer recursos avançados para ajudar a mitigar os impactos da interrupção. Também pode fornecer uma vantagem competitiva contra aqueles que optaram por permanecer em seus sistemas.
 

O que as empresas precisam descobrir ao longo do uso de soluções ERP é que está se tornando cada vez mais importante ser o mais automatizado possível. 
 

Isso significa oferecer aos seus clientes itens como serviços de preços, preparação do gerenciamento de tarefas e notificações de entrega na loja, em casa ou ainda a retirada de pedidos individuais.
 

Em uma estratégia de gerenciamento de estoque automatizado, o software ERP aciona o reabastecimento quando o estoque cai antes de um ponto de aprovisionamento definido, ajudando, assim, a alcançar a otimização. 
 

A importância do gerenciamento de estoque para o sucesso do seu e-commerce

Como as estratégias de estoque, o planejamento do ponto de reabastecimento pode ser mantido manualmente, ou um sistema ERP pode calculá-lo automaticamente com base no nível de serviço desejado, no número de vezes que um produto precisa estar disponível, no tempo de reposição e na precisão da previsão. 
 

Quanto mais variável a demanda ou o fornecimento de um material, maior será o ponto de reabastecimento, o estoque de segurança e, consequentemente, o sucesso do seu e-commerce.