Com o fim de ano se aproximando, é natural que os gestores de lojas virtuais iniciem as suas pesquisas sobre tendências para e-commerce 2021. Afinal, é preciso se preparar o quanto antes para sair na frente da concorrência e ter resultados positivos nos próximos meses.

Antes de saber quais são as novidades que devem impulsionar o comércio eletrônico e as tendências para e-commerce 2021, no entanto, é importante ter uma visão ampla sobre o que aconteceu em 2020 e quais são as previsões que os especialistas no setor fazem para o próximo período. Confira tudo isso a seguir!
 

Balanço geral do mercado de e-commerce em 2020

O ano de 2020 foi bastante atípico para toda a sociedade. A pandemia do novo coronavírus pegou a todos de surpresa, e precisamos nos adaptar a novas formas de realizar antigas atividades.
 

Foi isso que impulsionou o mercado de e-commerce, mesmo que a crise sanitária também tenha gerado um difícil momento para a economia. Para ter uma ideia, segundo um estudo realizado pela Ebit / Nielsen, divulgado em reportagem do portal “Consumidor Moderno”, o comércio online teve uma alta de 47%. O índice é o maior dos últimos 20 anos.
 

Uma das explicações para tamanho crescimento é o fato de as autoridades de saúde exigirem o isolamento social, como principal medida de controle e prevenção ao novo coronavírus. Muitas pessoas que não tinham o hábito de comprar pela internet descobriram essa facilidade e, impedidas de ir às lojas físicas, passaram a fazer as suas compras via e-commerce.
 

Ainda de acordo com o relatório da Ebit / Nielsen, em 2020, cerca de 7,3 milhões de novos consumidores conheceram o e-commerce. Isso fez com que o ano tivesse um saldo positivo para o segmento, apesar de estarmos enfrentando um período de crise.
 

Previsões para o futuro do e-commerce em 2021

As previsões e tendências para e-commerce 2021 são boas! Uma reportagem publicada pelo jornal “El País” comenta que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter um avanço de 2,8% no próximo ano.
 

Apesar de o número ser relativamente baixo, isso significa que, gradativamente, a economia começará a dar sinais de melhora. 
 

Todos esses fatores impactam positivamente para o mercado de e-commerce. O consumidor adquiriu novos hábitos e, agora, compra na internet com mais confiança, ao mesmo passo em que, com a melhora da economia, terá mais dinheiro para gastar.
 

Logo, uma das tendências para e-commerce 2021 é que o setor tende a continuar crescendo em uma constante, mesmo que não passe pelo mesmo “boom” que ocorreu em 2020.
 

8 tendências para e-commerce 2021

Conhecendo o cenário em que o setor está inserido, confira as principais tendências para e-commerce 2021.
 

1. Pix

O Pix é um meio de pagamento recentemente lançado, que possibilita a realização de transações financeiras de forma instantânea, em tempo real, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Por isso, ele é outra das tendências para e-commerce 2021.
 

Além disso, o Pix também possibilita que os pagamentos sejam feitos por meio de links e QR Codes. Para isso, clientes e empresas devem se cadastrar nos bancos e criar as suas chaves, por meio do número do celular, endereço de e-mail ou CNPJ.
 

Pelo fato de ter sido lançado recentemente, o Pix ainda está sendo pouco explorado no comércio eletrônico. Porém, a tendência é que, no decorrer de 2021, o meio de pagamento comece a ganhar popularidade, se tornando uma excelente maneira de fazer as cobranças dos clientes de forma prática e rápida.
 

2. Internet 5G

As principais operadoras de telefonia e internet já estão testando a tecnologia 5G no Brasil, sendo que algumas já oferecem planos e pacotes com o novo serviço. Por isso, essa é uma das tendências para e-commerce 2021.
 

O 5G deverá scomeçar a ganhar força e fará com que as pessoas estejam ainda mais conectadas, sempre com muita qualidade e velocidade. Logo, os hábitos de compra em e-commerce podem ser influenciados.
 

Vale lembrar que a lentidão no carregamento de sites e aplicativos é um dos principais fatores de abandono de carrinho nos e-commerces. Com a internet 5G, isso deixará de acontecer!
 

Se um usuário do Instagram ver um anúncio do seu e-commerce na rede social e clicar sobre ele, imediatamente, ele será direcionado para a sua página, sem que seja necessário esperar, mesmo que poucos segundos.
 

3. LGPD

A nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em 2020, mas as fiscalizações devem se intensificar em 2021. É por isso que, se o seu e-commerce ainda não se adaptou à nova legislação, deve fazer isso o mais breve possível.
 

Em resumo, a LGPD é mais do que uma das tendências para e-commerce 2021. Ela dá maior empoderamento às pessoas, físicas ou jurídicas, no que se refere ao uso de seus dados pessoais, como nome, endereço físico ou de e-mail, número do cartão de crédito etc.
 

Assim sendo, é importante que a sua loja virtual obtenha autorização dos clientes para armazenar os dados em seu banco. Para isso, basta criar um termo de compromisso, para que o cliente leia e aceite antes de realizar qualquer tipo de operação.
 

A LGPD também afeta a publicidade e as relações públicas, tendo em vista que você precisa de consentimento dos clientes para enviar anúncios por e-mail, fazer ligações telefônicas e usar cookies e algoritmos para exibir anúncios nas redes sociais e páginas da internet.
 

A nova legislação também torna as empresas responsáveis pelos dados de terceiros que armazenam. Isso quer dizer que, se por qualquer motivo, as informações dos clientes vazarem do seu banco, você deverá arcar juridicamente pelo ocorrido.
 

Além das multas, que podem chegar a R$ 50 milhões, você também poderá ter que indenizar as pessoas que tiveram os dados vazados, caso entrem com processos judiciais. 
 

Para evitar que isso aconteça, o mais indicado é investir em sistemas criptografados, que garantam a segurança do seu banco de dados e impeçam a invasão por hackers e objetos maliciosos. 
 

4. Omnichannel

Voltando a falar sobre os novos hábitos do consumidor a tendências para e-commerce 2021, é preciso pensar na forma como o atendimento é prestado nos diferentes canais em que o seu negócio utiliza.
 

É preciso manter um padrão e a continuidade no atendimento, atividade a que se dá o nome de omnichannel. Isso quer dizer que o cliente pode começar a ser atendido em um canal e continuar em outro, sem que seja necessário repetir tudo o que ocorreu.
 

Imagine, por exemplo, que um cliente solicitou uma informação pelo chat do Instagram. No dia seguinte, ele volta para esclarecer outra dúvida, agora no WhatsApp da sua loja. O ideal é que o atendimento possa ser continuado e, para isso, você precisa ter um sistema omnichannel.
 

Além disso, caso você também tenha lojas físicas, o atendimento omnichannel deve ter continuidade presencialmente. É crescente a utilização do comércio eletrônico para fazer compras e as retiradas sejam feitas nos estabelecimentos físicos.
 

Nesse caso, os atendentes do estabelecimento físico devem estar alinhados com as compras feitas na internet, para dar continuidade ao atendimento e fazer as entregas corretamente, além de responder dúvidas e atender a outras demandas.
 

5. Voice Commerce

Nos Estados Unidos, é crescente o uso de assistentes virtuais para fazer compras online. Esses são serviços como a Alexa, da Amazon, e o Home, do Google Home. 
 

De acordo com uma publicação do portal “E-commerce Brasil”, cerca de 20% dos consumidores americanos já realizaram compras utilizando as assistentes virtuais, para se ter uma ideia.
 

No Brasil, a tecnologia de reconhecimento de voz ainda não é tão popular e não está impactando tanto o mercado varejista. Porém, é interessante ficar atento, tendo em vista que essa novidade pode ganhar popularidade nos próximos e, quando isso acontecer, se tornará uma das tendências para e-commerce 2021.
 

6. Customização de produtos

A grande concorrência no comércio eletrônico tem feito com que as empresas tenham que se diferenciar. De tal maneira, um recurso que vem sendo bastante utilizado é a customização de produtos, para que o cliente possa personalizar os itens que pretende adquirir, de acordo com o seu gosto pessoal.
 

Grandes marcas, como a Nike, já estão apostando nesse modelo. Nesse exemplo, o e-commerce da marca de tênis permite que os consumidores personalizem os calçados, escolhendo as cores dos detalhes e outros aspectos.
 

É claro que para as lojas que apenas revendem produtos de terceiros isso fica um pouco mais complicado. Porém, se você fabrica os itens que vende no seu e-commerce, essa pode ser uma boa maneira de conquistar novos clientes e fidelizá-los.
 

7. Shoppable content

Cada vez mais, as empresas estão apostando na produção de conteúdos para se aproximar dos consumidores, ter um melhor engajamento e, dessa forma, gerar mais vendas. Isso pode ser feito por meio de blogposts, vídeos, infográficos, imagens nas redes sociais etc.
 

Entre as novidades que devem surgir no segmento e se tornar uma das grandes tendências para e-commerce 2021 está o shoppable content. Trata-se da inserção de meios que possibilitem o consumidor a adquirir, instantaneamente, algo em que ele viu em um conteúdo.
 

Uma das maneiras de tornar isso realidade é por meio do QR Code, que pode ser mostrado durante a veiculação de conteúdos. Imagine, por exemplo, que uma pessoa está assistindo a uma novela na televisão e uma das atrizes aparece usando uma determinada peça de roupa.
 

Com a tecnologia de shoppable, é possível mostrar um QR Code para que o espectador escaneie e seja direcionado para a página do e-commerce, onde pode adquirir aquela roupa, no ato. 
 

Isso é algo que deve ganhar popularidade em breve. Inclusive, algumas gigantes do entretenimento, como a Netflix, já estão fazendo investimentos nesse sentido.
 

8. Re-commerce

Chamamos de re-commerce a revenda ou comércio de produtos de segunda mão. Essa é uma das tendências para e-commerce 2021, tendo em vista que os consumidores estão cada vez mais atentos às questões relacionadas à sustentabilidade e contenção do consumo, por exemplo.
 

Na prática, é o que já acontece em muitos sites de compra e venda de artigos, como o Mercado Livre e a OLX. Porém, a tendência é que outros e-commerces também comecem a apostar na venda de produtos usados para ganhar mais popularidade e aumentar as vendas.
 

Um site que vende celulares, por exemplo, pode criar políticas de descontos para clientes que derem o seu aparelho antigo na compra de um novo. Esse item usado pode ser revisado, reformado e colocado para venda em uma sessão exclusiva para produtos do tipo.
 

Essas são algumas das principais tendências para e-commerce 2021. É importante que você fique atento e as coloque em prática, na medida do possível, para ter mais resultados positivos no seu negócio.
 

Continue se informando sobre novidades para o seu negócio e veja agora algumas tendências no que se refere à logística para e-commerce.