Imagem de uma mulher sentada em uma sofá com um notebook no colo e com um celular na mão.

Não há como negar: a venda pela internet transformou a maneira como consumimos produtos e serviços. Anos atrás, a ideia de fazer compras em poucos minutos sem sair de casa parecia absurda. Hoje, trata-se de uma rotina comum para os brasileiros. Mas você sabia que existem muitos tipos de e-commerce que viabilizam essas operações pela internet?

Com tantas facilidades das operações online, todas as pessoas e organizações desejam aproveitar. É por isso que podemos encontrar transações que envolvem pessoas, empresas e órgãos governamentais em diferentes plataformas.

Quer conhecer melhor os tipos de e-commerce que você precisa conhecer? Então confira logo a seguir!

Por que é importante conhecer os diferentes tipos de e-commerce?

O comércio eletrônico é um modelo de negócios que permite que empresas e consumidores façam compras ou vendam coisas online. Mas isso não está limitado ao tradicional modelo em que uma empresa cria um site para vender produtos para pessoas físicas. Existem muitos tipos de e-commerce para escolher. E hoje é mais fácil do que nunca para os empreendedores criativos usá-los para tornar suas ideias realidade.

Ou seja, para quem deseja inovar e desafiar as expectativas, é possível explorar diferentes tipos de e-commerce. E a primeira coisa a se pensar é o tipo de transação comercial que você está fazendo.

O conhecimento dessas possibilidades abre um grande leque de oportunidades. Você pode vender para outras empresas por meio de um aplicativo móvel, vender para pessoas físicas pelas redes sociais ou criar um canal apenas para atender órgãos do governo. Tudo depende das estratégias traçadas.

Quando você pensa no negócio que deseja administrar, para quem você se vê vendendo? Seu negócio é B2B, B2C, C2C ou C2B? Essas siglas ainda não fazem muito sentido para você? Vamos dar uma olhada nas maneiras mais comuns pelas quais as transações online ocorrem.

10 tipos de e-commerce

1. B2C – Business to consumer (empresa para consumidor)

As empresas B2C vendem diretamente para seus usuários finais. Qualquer coisa que você compre em uma loja online como consumidor – de guarda-roupa a utensílios domésticos – é feito como parte de uma transação B2C.

O processo de tomada de decisão para uma compra B2C é muito mais curto do que uma compra business-to-business (B2B), especialmente para itens de menor valor. Devido a esse ciclo de vendas mais curto, as empresas B2C normalmente gastam menos dinheiro em marketing para fazer uma venda, tendo um valor médio de pedido mais baixo e menos pedidos recorrentes do que suas contrapartes B2B.

2. B2B – Business to business (empresa para empresa)

Em um modelo de negócios B2B, uma empresa vende seu produto ou serviço para outra empresa. Às vezes, o comprador é o usuário final, mas muitas vezes o comprador revende para o consumidor. As transações B2B geralmente têm um ciclo de vendas mais longo, mas um valor de pedido mais alto e compras mais recorrentes.

Organizações inovadoras no mercado B2B ganharam espaço ao substituir catálogos e folhas de pedidos por vitrines de comércio eletrônico e melhorar a segmentação em nichos de mercado.

Em 2021, 60% dos compradores B2B eram millennials — quase o dobro de 2012. À medida que as gerações mais jovens entram na era das transações comerciais, a venda B2B é um dos tipos de e-commerce que vem ganhando destaque.

3. B2B2C – Business to business to consumer (empresa para empresa para consumidor)

B2B2C é um modelo de negócios em que uma empresa vende seu produto ou serviço em parceria com outra organização para um cliente final.

Ao contrário de quando você faz um white label de um produto – onde uma empresa renomeia um item para apresentá-lo como seu – o cliente final entende que está comprando um produto ou usando um serviço da empresa original

4. C2B – Consumer to business (consumidor para empresa)

Os negócios C2B permitem que indivíduos vendam bens e serviços para empresas. Nesse modelo de comércio eletrônico, um site pode permitir que as pessoas publiquem o trabalho que desejam desenvolver e que as empresas façam ofertas pela oportunidade. Além disso, os serviços de marketing de afiliados também seriam considerados C2B.

A vantagem competitiva do modelo de comércio eletrônico C2B está na precificação de bens e serviços. Essa abordagem dá aos consumidores o poder de definir seus preços ou fazer com que as empresas concorram diretamente para atender às suas necessidades.

Recentemente, muitas empresas adotaram esse modelo de forma criativa para conectar empresas a influenciadores de mídia social para comercializar seus produtos.

5. C2C – Consumer to consumer (consumidor para consumidor)

As empresas de comércio eletrônico C2C – às vezes chamadas de mercados on-line – conectam os consumidores para trocar bens e serviços. Normalmente, essas plataformas ganham dinheiro cobrando taxas de transação ou listagem.

Os negócios C2C se beneficiam do crescimento autopropulsionado por compradores e vendedores motivados, mas enfrentam um desafio importante no controle de qualidade e na manutenção da tecnologia.

Ótimos exemplos de negócios C2C são o Mercado Livre, OLX e eBay.

-> Confira também: quais são os tipos de consumidores online

6. B2G – Business to government (empresa para governo)

B2G é um modelo de comércio eletrônico em que uma empresa vende e comercializa seus produtos para entidades governamentais ou administrações públicas – sejam municipais, estaduais ou federais.

Esse modelo se baseia na licitação bem-sucedida de contratos governamentais. Um órgão governamental normalmente publicará um edital de licitação e as empresas de comércio eletrônico terão que concorrer a esses projetos.

Embora seja um modelo de negócios mais seguro, o B2G difere de outras empresas ou consumidores. A natureza burocrática das agências governamentais muitas vezes leva a um ritmo muito mais lento, o que pode limitar os fluxos de receita potenciais.

7. C2G – Citizento government (cidadão para governo)

O modelo de C2G permite que os consumidores publiquem feedback ou solicitem informações sobre setores públicos diretamente à administração ou autoridades governamentais. Trata-se de um ambiente digital que permite a coleta sugestões, reclamações e permitem que pessoas físicas façam pagamentos para o poder público – como taxas e impostos.

8. M-Commerce – Mobile Commerce

M-commerce representa a compra e venda de bens e serviços por meio de dispositivos móveis – como como smartphones e tablets.

Especialistas consideram o comércio móvel como a próxima fase do comércio eletrônico, pois permite que os consumidores comprem bens ou serviços on-line, mas de qualquer lugar e a qualquer momento.

Porém, precisamos considerar que o comércio móvel é muito mais do que isso. Na verdade, o M-Commerce desencadeou o surgimento de novos setores e serviços ou ajudou os existentes a crescer em novas direções. Exemplos de tais inovações incluem:

  • Bilhetes e cartões de embarque
  •  Bancos digitais
  •  Transferências de dinheiro, pagamentos sem contato e pagamentos no aplicativo
  •  Compras de conteúdo digital
  •  Serviços baseados em localização
  •  Marketing móvel, incluindo cupons e cartões de fidelidade

Todas essas funcionalidades do M-Commerce que hoje fazem parte da experiência dos consumidores. Por conta disso, muitas lojas virtuais já apostam em sites responsivos e aplicativos próprios – independentemente dos tipos de e-commerce adotados.

9. S-commerce – Social commerce

O social commerce é a venda de produtos e serviços diretamente aos clientes por meio das mídias sociais.

Descoberta, navegação, comparações de produtos e feedback do cliente ocorrem na plataforma de mídia social. A beleza do S-commerce é que ele acelera o processo de compra e oferece uma experiência de compra perfeita, ao mesmo tempo em que ajuda as marcas a alavancar o mercado de massa de usuários de mídia social.

O social commerce permite que marcas, influenciadores e indivíduos construam reconhecimento da marca e se envolvam com seus clientes de várias maneiras novas. Com isso, é possível criar uma experiência de compra ainda mais simples e eficiente.

Um exemplo de social commerce que você deve conhecer é o Instagram Shopping. O Instagram adicionou o recurso de compras nativo à sua plataforma em 2019 para permitir que os usuários façam a compra de produtos sem precisar sair da plataforma.

10. T-commerce – TV commerce

O T-commerce envolve o uso da tecnologia por trás da televisão digital para enviar ativamente publicidade aos telespectadores. Algumas estratégias incluem o uso de um banner que rola ao longo da parte inferior da tela da televisão, fornecendo um meio para anúncios além dos comerciais de televisão usuais que os patrocinadores criam e exibem durante o curso de um programa de TV.

Outras abordagens apostam na interação dos usuários com o conteúdo da televisão – como a exibição de um QR code que leva a uma página que permite a compra de um produto ou contratação de um serviço.

Além disso, existem aplicativos de T-commerce que permitem que os espectadores realmente encomendem produtos clicando nos ícones exibidos na tela da televisão ou usando um controle remoto para destacar e selecionar ícones específicos que usam informações do assinante para processar um pedido.

A aplicação do T-commerce é um ótimo exemplo de como as empresas podem usar aplicativos modernos de mídia digital para alcançar clientes em potencial. A ideia é promover oportunidades de compra sem interferir na experiência de visualização. Assim, os espectadores interessados em determinados produtos podem obter mais informações ou fazer um pedido em tempo real. 

Ao explorar o T-commerce, as empresas podem se conectar com os consumidores enquanto o nível de interesse é alto, possivelmente levando a vendas que não ocorreriam usando métodos mais tradicionais de publicidade televisiva – como comerciais que são rapidamente esquecidos ou ignorados.

-> Confira: como escolher uma plataforma de e-commerce

Explorando os tipos de e-commerce

Nos últimos anos, o mercado de comércio eletrônico explodiu em popularidade e inovação.

Para as empresas que desejam dar o próximo passo no mundo digital, entender quais modelos de negócios usar e como aproveitá-los pode fazer a diferença entre um negócio de sucesso e um que você nunca mais ouvirá falar.

Você já conhecia todos esses tipos de e-commerce? Como sua empresa explora todas essas opções de modelos de negócio? Deixe o seu comentário!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *