O avanço da logística para e-commerce tem sido parte significativa do desenvolvimento expressivo da economia digital nos últimos anos. Ela mostra que, unindo tecnologia e soluções de distribuição avançados, é possível vencer os desafios do setor, contribuindo diretamente para o crescimento econômico de vários países. 

De fato, o setor de logística está passando por uma transformação rápida e sem precedentes, abrindo caminho para a inovação e o crescimento no futuro próximo. Uma infinidade de tecnologias emergentes está moldando o desenvolvimento da logística para e-commerce.
 

A logística para e-commerce vem com grandes desafios ao modelo tradicional de entrega

Embora a Internet possa ajudar as empresas a venderem mais, o transporte eficiente de mercadorias é imperativo para o comércio eletrônico doméstico e internacional. 
 

O bom funcionamento do transporte rodoviário, portos, serviços de entrega postal e alfândega ajuda a garantir o atendimento eficaz dos pedidos. As ineficiências no sistema de logística, incluindo transporte de mercadorias, armazenagem, liberação de fronteiras e entrega postal doméstica, aumentam os custos comerciais das empresas envolvidas no comércio eletrônico e, em particular, as pequenas e médias.
 

A má logística continua sendo uma barreira para o crescimento do comércio eletrônico de bens físicos em muitos países em desenvolvimento.

Os principais desafios estão relacionados a três dimensões:

  1. Infraestrutura logística e de transporte

  2. Acesso a serviços de qualidade em condições competitivas

  3. Eficiência dos procedimentos de desembaraço aduaneiro e de fronteira (facilitação do comércio)
     

Parte do problema com o desenvolvimento de uma estratégia bem-sucedida de comércio eletrônico remonta à infraestrutura criada para vendas físicas. Além disso, os varejistas de todo o mundo lutam para permanecer competitivos diante dos gigantes do varejo online.
 

As inovações nas indústrias de logística e manufatura, que vão da impressão 3D ao rastreamento ativo de RFID, ajudarão as empresas a permanecerem competitivas no universo da economia digital. 
 

A capacidade de se adaptar a essas tendências na logística de comércio eletrônico determinará quem vai sobreviver às grandes lojas virtuais e varejistas. Felizmente, as empresas menores têm uma vantagem: elas podem aproveitar a inovação tecnológica para implementar soluções mais rápidas e eficazes para lidar com o crescimento do comércio eletrônico.
 

Quais são as principais tendências em logística para e-commerce e como os transportadores podem usá-los para criar vantagens competitivas?

Embora ninguém possa realmente determinar o que o futuro reserva para o mundo do comércio eletrônico, as principais tendências de hoje indicam um horizonte repleto de tecnologia, serviços conectados e ganhos de eficiência. 
 

As oportunidades de crescimento e sucesso nunca foram tão altas, e algumas das principais tendências incluem:

  • Digitalização e automação visando aumentar eficiência logística para e-commerce

A digitalização e a automação na cadeia de suprimentos se tornarão as principais tendências na Logística para comércio eletrônico, e as lojas virtuais devem movimentar mais produtos – e a custos mais baixos.
 

  • Transportadoras mais perto dos clientes de comércio eletrônico

A demanda por comércio eletrônico e o atendimento mais rápido de pedidos resultarão em mais empresas movimentando seus depósitos de produtos, e os fabricantes ainda mais perto dos seus consumidores.
 

  • Incorporação de métodos de pagamento digital

Da mesma maneira que as compras evoluíram no mundo do comércio eletrônico, a forma como os consumidores pagam por suas compras também deve evoluir – isso inclui o uso de métodos e moedas de pagamento digital.
 

  • Uso de Big Data para análise de comportamento de mercado

A compreensão dos comportamentos do mercado e dos hábitos de compra do consumidor por meio do uso de big data refinará ainda mais a estratégia de logística do comércio eletrônico nos próximos anos, a tornando mais assertiva e eficiente em promoções e na gestão de produtos por região.
 

  • Automação de processos de entrega

A automação do processo de entregas no e-commerce inclui o uso de drones e veículos sem motorista para automatizar a entrega, mas também inclui o uso de robótica para atender pedidos, armazéns e processos de remessa automatizados. Como resultado, teremos redução de custos, eficiência estratégica e otimização de investimentos.
 

  • Uso de métodos de entrega inovadores

Serviços de entregas no e-commerce inovadores, como porteiro e serviços adicionais de concierge, se tornarão mais importantes à medida que o mundo se transformar em uma era impulsionada pelo comércio eletrônico. O uso de tais métodos permitirá a entrega mais rápida de mais produtos, sem as restrições tradicionais da confirmação da entrega da última milha.
 

  • Maior foco na personalização do cliente

À medida que o número de produtos disponíveis para compra aumenta, a capacidade de personalizar se torna ainda mais importante para os consumidores. As lojas de comércio eletrônico devem se adaptar e permitir essa personalização, aproximando a manufatura dos consumidores e aguardando os pedidos antes de concluir o processo de manufatura.
 

  • Exploração de canais de compras em redes sociais

Os canais de compras em redes sociais, como a venda de produtos através do Instagram e do Facebook, se tornarão mais importantes à medida que o comércio eletrônico amadurece.
 

  • Integração com assistentes inteligentes 

Os principais desenvolvedores de assistentes inteligentes, como Google e Amazon, já se concentraram na integração de experiências de compras com assistentes pessoais digitais. O papel dos assistentes inteligentes continuará aumentando para atender à demanda de comércio eletrônico.
 

  • Plataformas SaaS ganham maior participação de mercado

A capacidade de usar uma plataforma SaaS para melhorar a eficiência logística e atender a mais pedidos se tornará mais crítica, à medida que as empresas buscam desbloquear novas maneiras de nivelar o jogo e permanecer competitivos com os gigantes do e-commerce.
 

  • O Blockchain substituindo os sistemas de rastreamento de remessas

Como o comércio eletrônico é inerentemente preenchido com instâncias de produtos falsificados, fraudes e problemas de baixa visibilidade, as lojas online devem considerar no futuro o uso da tecnologia blockchain para desenvolver transações incorruptíveis e manter a validade do produto, aprimorando os sistemas de rastreamento.
 

  • Os serviços de assinatura passam a fazer parte das compras habituais 

Os serviços de assinatura estão se tornando mais populares a cada ano, portanto, as empresas precisarão evoluir e oferecer remessas automatizadas e recorrentes para as compras apropriadas.
 

No mesmo dia ou no seguinte, as janelas de entrega estão diminuindo para se tornarem realidade na logística para os clientes de e-commerce nos próximos anos.
 

O compartilhamento de infraestrutura através condomínios logísticos reduz os custos e aumenta a eficiência das entregas

O crescimento explosivo do comércio eletrônico e a concorrência entre os varejistas para entregar mercadorias rapidamente leva à escassez de armazéns perto de centros populacionais, desencadeando uma busca por espaços de distribuição – e que está crescendo a cada ano. 
 

Ao contrário dos amplos centros de atendimento tipicamente construídos nos arredores das cidades, os centros de distribuição mais modernos são montados em áreas densamente povoadas, para que as empresas possam empacotar pedidos o mais próximo possível da chamada “última milha”, ou seja, próximo aos seus clientes.
 

De fato, os varejistas estão constantemente tentando descobrir melhores maneiras de tornar suas cadeias de suprimentos mais eficientes e econômicas, principalmente nas épocas do ano em que as vendas aumentam.
 

Tais operações fazem parte do esforço dos varejistas digitais e físicos de estender os raios de distribuição em suas redes, em grande parte para atender às demandas do comércio eletrônico.
 

A verdade é que as empresas de comércio eletrônico estão crescendo e encontrando vários obstáculos para expandir a logística, as operações ou mesmo o armazenamento de produtos. O condomínio logístico é uma nova iniciativa que oferece a oportunidade de se beneficiar da economia de compartilhamento para o armazenamento e a logística de produtos do comércio online.
 

Os condomínios logísticos podem ser definidos como áreas de armazenamento de maneira consolidada ou segregada, usando áreas que podem ser compartilhadas com empresas ou sediadas sozinhas para atender à demanda ou proporcionar ganhos através do uso.
 

Esses centros foram desenvolvidos para fornecer redução de custos para operadores logísticos, transportadoras, indústrias e varejistas, atendendo às suas necessidades de armazenamento, distribuição, consolidação de carga e distribuição de veículos. 
 

Ao reunir vários galpões com flexibilidade para segregar espaços em um local único, com segurança e infraestrutura de serviços compartilhados, as empresas desfrutam de uma relação custo-benefício que não seriam capazes de alcançar sozinhas.
 

Nos condomínios logísticos, os varejistas on-line podem se concentrar em seus principais processos de negócio, sem se preocupar se os locais de escritórios ou espaço de armazenamento serão suficientes. 
 

Entre outros benefícios de um centro de armazenamento flexível, a exemplo dos condomínios logísticos, a redução de custos é um fator relevante, pois as empresas não precisam se comprometer por longos períodos para ter acesso a maiores superfícies de armazenamento.
 

Localização estratégica adotada pelos condomínios logísticos

Os condomínios logísticos por padrão devem estar em uma localização estratégica para remessas dos produtos do comércio eletrônico. 
 

Tanto os espaços de trabalho quanto às operações de logística podem estar ao lado de portos, aeroportos e rodovias estratégicas, facilitando o transporte terrestre, de aviões e navios para o recebimento de contêineres e o envio de mercadorias.
 

Além disso, os condomínios logísticos também se tornam um lugar onde as empresas de comércio eletrônico podem interagir entre si em áreas como armazenamento e distribuição.
 

A exemplo do que acontece na gigante Amazon, os pedidos atendidos são embalados em condomínios logísticos próximos, e enviados aos locais, que a Amazon chama de “estações de entrega”. A partir daí, os motoristas locais transportam as caixas para os clientes. 
 

Como a logística para e-commerce está mudando as cidades

A internet e a ascensão do comércio eletrônico, em que os aplicativos podem facilitar tudo, desde compras básicas à entrega de refeições, transformaram as expectativas dos consumidores em uma economia sob demanda. 
 

Agora que a infraestrutura digital está instalada para apoiar a nova economia baseada no comércio eletrônico, a infraestrutura física deve recuperar seu atraso. Por isso, é trabalho das cidades garantir que a transição econômica para o mercado digital ocorra sem problemas.
 

Além de reaproveitar os centros comerciais e os depósitos deteriorados e abandonados, as cidades podem fazer muito para acomodar residentes e fornecedores que trabalham dentro do novo paradigma de entrega, diferente do utilizado pelo sistema dos correios
 

Com o crescimento esperado da entrega de frete urbano em 40% até 2050, os gestores municipais e empresariais devem colaborar para desenvolver uma infraestrutura logística inteligente e garantir que o congestionamento não saia do controle. 
 

Para facilitar isso, alguns pesquisadores estão pedindo aos departamentos de transporte que compartilhem mais ativamente as informações de tráfego, o reparo de estradas e outros dados com as empresas de caminhões, para que elas possam planejar rotas com mais eficiência e diminuir o tempo de transporte. 
 

Da mesma forma, as startups estão propondo que os drones possam ajudar a tirar caminhões de pequenas estradas, e os fabricantes estão começando a equipar seus veículos com sensores para receber dados de tráfego da infraestrutura local, quando aplicável.
 

Vários exemplos incluem a utilização de antigos shopping centers como centros de logística, o estabelecimento de horários de entrega fora do horário comercial, permitindo veículos de remessa urbana, o que facilita todo o processo. 
 

Com inteligência e tecnologia, é possível evitar agravamentos de congestionamentos com o uso de dados de tráfego que auxiliam o pessoal responsável de logística para a realização de suas entregas no e-commerce
 

Má infraestrutura de logística pode impedir o crescimento do comércio eletrônico

Como vimos, a logística é um facilitador essencial para o comércio eletrônico, pois afeta diretamente a experiência do consumidor final. Ainda existem alguns desafios à logística no e-commerce, também indicados pelo fato de que as compras on-line em bens não físicos estão crescendo cerca de duas vezes mais rápido. 
 

Um dos principais desafios, especialmente para compras internacionais, é o desembaraço aduaneiro. Os processos geralmente não são projetados para remessas B2C e são lentos, pesados ​​e caros. 
 

A entrega da última milha também pode ser um desafio devido a congestionamentos, preocupações com segurança e falta de numeração de endereços adequada. Por último, mas não menos importante, as devoluções são um desafio para os varejistas. 
 

Encontrar uma solução para a logística reversa de produtos eficaz, que mantenha os clientes fiéis, sem exercer extrema pressão sobre os custos, é um desafio logístico essencial para o comércio eletrônico.
 

Além de uma infraestrutura física adequada para suporte ao modelo de negócio do comércio eletrônico, existem cinco elementos-chave que compõem um centro de logística para e-commerce de sucesso: 

  1. Recursos de zona de livre comércio

  2. Infraestrutura eficiente de rodovias, portos e aeroportos

  3. Regulamentação comercial e aduaneira favorável aos negócios (por exemplo, para retornos transfronteiriços)

  4. Conhecimento específico de logística de comércio eletrônico

  5. Cooperação entre indústrias, com comerciantes, fornecedores de tecnologia e logística trabalhando em sincronia.
     

Por fim, uma boa infraestrutura rodoviária, portuária e aeroportuária, apoiada por regulamentos e processos comerciais eficazes, é fundamental para permitir que as mercadorias entrem e saiam sem interrupções e com baixo custo. 
 

Também são importantes as habilidades de cumprimento do comércio eletrônico e a geração de uma boa cooperação do setor para que o ecossistema funcione bem. 
 

As regulamentações comerciais e alfandegárias podem ser aprimoradas para se tornar mais relevantes, tanto para B2C quanto para o B2B, e desenvolver a logística para e-commerce é um pré-requisito essencial para o sucesso no comércio eletrônico.